Carlos Costa alerta que Portugal não pode continuar com crescimento “anémico”

  • Guilherme Monteiro
  • 19 Novembro 2018

Governador do Banco de Portugal diz que problema da economia portuguesa não é o número de horas trabalhadas, mas a diferença de produtividade face às economias europeias.

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, avisa que Portugal não pode continuar com um crescimento potencial “anémico” sob risco de os défices elevados e a emigração persistirem.

Os alertas foram deixadas esta segunda-feira de manhã, na 9º conferência do Banco de Portugal sobre o desenvolvimento económico português no espaço europeu. Para o responsável, a economia nacional está separada das europeias pelas diferenças de produtividade. E considera que só com um crescimento “robusto” se pode levar a economia portuguesa a convergir com as demais.

Numa altura em que o crescimento económico está em alta, mas “apresenta sinais de abrandamento”, Carlos Costa apelou ainda a uma reflexão sobre as necessidades da economia. No terceiro trimestre, a economia cresceu 0,3% em cadeia, e 2,1% em termos homólogos o que representa um abrandamento face ao desempenho do segundo trimestre (0,6% e 2,4%). Para o conjunto do ano, o Governo prevê que Portugal cresça 2,3%, uma estimativa até agora corroborada pelo próprio Banco de Portugal e pelo Fundo Monetário Internacional. No entanto, a Comissão Europeia está mais pessimista, aponta para um crescimento de 2,2% e o conjunto de economistas ouvidos pelo ECO, também antecipam que a meta não será cumprida já que isso exigiria um crescimento de 1% no quarto trimestre, face aos três meses anteriores. Um desempenho particularmente difícil tendo em conta o contexto de abrandamento europeu.

Portugal abrandou no terceiro trimestre. Economia cresceu 2,1% em termos homólogos

Fonte: INE. Valores em %, variação homóloga

Para que possa existir um aumento da produtividade dos trabalhadores, o governador considera que é fundamental reforçar as competências, a cultura de mérito e o empreendedorismo, mas também aprender a superar as iniciativas fracassadas e a adequação do sistema financeiro às necessidades de financiamento das empresas.

Para Carlos Costa é ainda importante melhorar a atratividade do ambiente de negócios e a simplicidade do sistema fiscal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Costa alerta que Portugal não pode continuar com crescimento “anémico”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião