Bancos estão a preparar-se para hard Brexit, diz IGCP

  • Lusa
  • 20 Novembro 2018

As instituições bancários estão a preparar-se para o caso do Reino Unido sair da União Europeia sem acordo.

A presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e Dívida Publica (IGCP) disse esta terça-feira que os bancos estão a preparar-se para uma solução de “hard Brexit”, ou seja, uma saída sem acordo, sem riscos para o setor financeiro.

“Os bancos estão todos a preparar-se para a solução de ‘hard Brexit’ [saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo], portanto o que vai acontecer é que se for um período de transição, em que a equivalência é o regime, já vai chegar tarde, porque já está toda a gente a preparar-se para se não for essa a solução”, disse Cristina Casalinho à agência Lusa.

A responsável falava à margem de uma conferência sobre o tema “’Brexit’: uma negociação complexa”, organizada pela Câmara do Comércio e Indústria Luso-Espanhola e o Institute of Public Policy.

“Não há um quadro totalmente claro e, portanto, as pessoas preparam-se para o pior, para não ter riscos”, afirmou a presidente do IGCP, explicando que hoje em dia “é tudo muito uniforme” e, por isso, uma das principais dificuldade é que se espera que tudo passe a ser “mais fragmentado”.

“Mas há entidades que têm já soluções próximas daquilo que poderá a ser o futuro, mas não há certeza que essas soluções sejam validas ou não”, referiu.

Durante a sessão, Cristina Casalinho sinalizou para a complexidade da negociação associada à saída do Reino Unido da União Europeia e explicou algumas preocupações do setor financeiro, tais como a garantia da continuidade contratual e dos serviços e como assegurar a capacidade de compensação de operações.

Entre os riscos de médio prazo, a responsável falou na arbitrariedade entre autoridades e na garantia de integridade e transparência dos mercados.

Exemplificando com o caso português, para uma entidade do Reino Unido poder operar em Portugal, após o ‘Brexit’, terá que pedir autorização à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) portuguesa.

“O nível de fragmentação e de soluções avulsas será grande”, disse Cristina Casalinho, referindo, no entanto, que a maior parte dos bancos britânicos já pediram estas autorizações.

Segundo a responsável, serão várias as alterações a preparar, nomeadamente ao nível da documentação (assinatura de novos contratos), contabilização, reporte e liquidação/compensação e estas envolverão “claramente um aumento de custos”.

Os chefes de Estado e de Governo da UE a 27 reúnem-se num Conselho Europeu extraordinário, no próximo domingo, em Bruxelas, para aprovar o projeto de acordo alcançado na semana passada, subsistindo a incógnita em torno da aprovação do documento pelo parlamento britânico, já que são muitas as vozes contra os contornos do acordo, incluindo dentro do partido conservador de Theresa May.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos estão a preparar-se para hard Brexit, diz IGCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião