BCE prevê que inflação suba com aumentos dos salários

  • Lusa
  • 22 Novembro 2018

Nas atas da última reunião de política monetário, o BCE prevê que a inflação suba em linha com o objetivo de ficar perto mas ligeiramente abaixo dos 2%.

O Banco Central Europeu (BCE) prevê que a inflação suba em linha com o objetivo de ficar perto mas ligeiramente abaixo de 2%, porque os salários aumentam na zona euro.

Nas atas da última reunião de política monetária, publicadas esta quinta-feira, o BCE disse que houve um acordo alargado entre os membros do Conselho de Governadores quanto à “ampla expansão económica na zona euro” apesar de “os últimos dados económicos serem mais fracos do que o esperado”.

O BCE indicou também que prevê uma revisão em baixa das perspetivas de crescimento a curto prazo na zona euro.

“A evolução dos salários foi considerada o fator que aumentou a confiança nas perspetivas para os preços no consumo”, segundo as atas. O crescimento salarial na zona euro acelerou para 2,3% no segundo trimestre, depois de ter ficado em 1,9% no trimestre anterior, de acordo com números do BCE.

O Conselho de Governadores do BCE observou na sua última reunião de política monetária que “o crescimento dos salários continuou a aumentar em linha com as expectativas“. As subidas salariais refletem o endurecimento do mercado laboral, segundo o BCE.

Uma situação de endurecimento do mercado laboral ocorre quando cai o desemprego e diminuem os postos vagos disponíveis, o que geralmente aumenta os salários porque as empresas têm mais dificuldade em encontrar trabalhadores.

“A solidez da economia da zona euro e o aumento dos sinais de que estão a ser criadas pressões para a subida dos salários apoia a confiança de que a inflação vai convergir com o objetivo” e manter-se a esse nível após a interrupção gradual das compras de dívida, de acordo com as atas da reunião.

No início de outubro, o BCE reduziu as compras de dívida para 15 mil milhões de euros por mês e tenciona deixar de comprar novos títulos a partir de janeiro de 2019.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE prevê que inflação suba com aumentos dos salários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião