Moody’s: Novo Banco terá de ir ao mercado para substituir 6,5 mil milhões de dívida do BCE

A Moody's considera que a banca ibérica, e em específico a portuguesa, serão "moderadamente" afetadas pelo fim do programa de TLTRO do BCE. O Novo Banco poderá ser o mais castigado.

A Moody’s considera que a banca portuguesa, a par da espanhola, será “moderadamente” afetada pelo fim do programa de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (TLTRO) do Banco Central Europeu (BCE). A agência de notação financeira considera que as instituições financeiras da região dispõem de almofadas de liquidez suficientes para fazer face a essa realidade. Mas no caso do Novo Banco poderá não ser assim, com a Moody’s a antecipar que terá de recorrer aos mercados para substituir aquela dívida.

O alerta surge numa nota divulgada pela Moody’s nesta segunda-feira, onde se pronuncia sobre os quatro leilões trimestrais de TLTRO levados a cabo entre junho de 2016 e março de 2017, com juros de 0% e maturidade de quatro anos, cuja devolução os bancos ibéricos terão de fazer no limite entre junho de 2020 e março de 2021.

A Moody’s considera que a generalidade dos bancos que beneficiaram desse mecanismo estão preparados para esse processo de devolução, antevendo que a sua rentabilidade apenas será “moderadamente” afetada e que o risco associado ao respetivo refinanciamento será “limitado”. E diz que as comissões na banca de investimento poderão mitigar os custos mais elevados.

“Quaisquer riscos de refinanciamento que resulte de TLTRO serão limitados para os bancos ibéricos, devido às amplas almofadas de liquidez e a emissão de nova dívida de longo prazo nos mercados de capitais”, diz Maria Jose Mori, vice-presidente da Moody’s. “Os bancos espanhóis e portugueses continuam a beneficiar do processo de desalavancagem dos seus balanços e dos depósitos amplamente estáveis, o que alivia a pressão sobre as métricas de liquidez em ambos os sistemas”, acrescenta a mesma responsável.

No que respeita aos bancos nacionais, deixando de lado a Caixa Geral de Depósitos que voluntariamente já devolveu as quantias em dívida, a Moody’s considera que o cenário global para a devolução ao BCE segue a tendência global para a Península Ibérica. Menos otimista é, contudo, a perspetiva que tem relativamente ao Novo Banco.

Novo Banco é o menos preparado para devolver dívida

A agência de rating começa por salientar que a instituição financeira liderada por António Ramalho “está altamente exposta à dívida em TLTRO, detendo 6,5 mil milhões de euros ou o equivalente a 12,6% do total de ativos em junho de 2018”.

Lembra ainda que o banco não fez ainda qualquer declaração pública relativamente à sua estratégia de refinanciamento da dívida ao BCE. E por essa razão, e em tom de aviso, diz que “com um LCR (rácio de cobertura de liquidez) de 138% [o Novo Banco] vai precisar dos mercados de capitais para substituir os fundos dos TLTRO”.

Este aviso surge poucos dias depois de o Novo Banco ter apresentado os seus resultados relativos aos nove primeiros meses do ano. Contas que mostraram prejuízos de 419,6 milhões de euros naquele período, em linha com os resultados negativos obtidos nos nove primeiros meses do ano passado. Números que foram condicionados pelos ativos problemáticos como o crédito que continua a pressionar as contas do banco liderado por António Ramalho.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s: Novo Banco terá de ir ao mercado para substituir 6,5 mil milhões de dívida do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião