Mundial, Bruno de Carvalho e Casa dos Segredos. Os termos mais pesquisados no Google em 2018

O Mundial, Bruno de Carvalho e a Casa dos Segredos foram alguns dos temas mais pesquisados pelos portugueses no Google em 2018. Conheça os vencedores das várias categorias, em Portugal e no mundo.

Os termos mais pesquisados no Google permitem fazer o raio-X ao que se passou durante o ano.

O que é que o Mundial de futebol, o ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho, e o programa televisivo Casa dos Segredos têm em comum?

À primeira vista, nada. Mas foram três dos termos mais pesquisados pelos portugueses no motor de busca do Google durante o ano de 2018. A lista foi revelada esta quarta-feira pela multinacional e permite recordar e analisar os principais acontecimentos e tendências do ano que agora termina.

Na reta final de cada ano, a empresa tem o hábito de revelar os termos mais pesquisados em cada país e também ao nível global. “Mundial” foi a palavra mais pesquisada pelos portugueses, acompanhando a tendência global: “World Cup” foi o temo mais pesquisado de todos na plataforma, a nível internacional.

Na categoria de nomes nacionais, o destaque vai para o termo “Bruno Carvalho”. Envolvido em polémica durante grande parte do ano, o ex-presidente do Sporting foi o nome mais procurado no Google pelos portugueses. Avicci, o jovem DJ sueco, encontrado morto em meados de abril, foi o nome internacional mais pesquisado em Portugal.

No que toca a acontecimentos, “Incêndio de Monchique” foi a notícia mais procurada no Google. Na categoria de programas e séries, os portugueses interessaram-se por “Secret Story” (Casa dos Segredos, um reality show da TVI) e, na categoria dos tutoriais, as pesquisas incidiram mais sobre “Como fazer slime?”, uma espécie de pasta elástica que serve de brinquedo.

Meghan Markle no topo do pódio

A nível global, “World Cup”, para além do termo mais procurado no Google, foi a notícia mais pesquisada em todo o mundo. Meghan Markle, que casou com o príncipe britânico Harry em 2018, foi o nome mais digitado na barra de pesquisas em 2018. Já Sylvester Stallone foi o ator mais pesquisado.

Na categoria de óbitos, Avicii também foi o nome mais pesquisado, e na categoria de músicos e bandas, Demi Lovato ocupa o primeiro lugar no pódio das pesquisas mundiais no Google.

No ano passado (2017), Salvador Sobral foi a principal pesquisa dos portugueses no Google. Taça das Confederações foi o evento desportivo mais procurado e Love on Top distinguiu-se como o programa de televisão que foi alvo de mais pesquisas no Google. A nível internacional, o termo mais pesquisado em 2017 foi “Hurricane Irma” (“Furacão Irma”, em português).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mundial, Bruno de Carvalho e Casa dos Segredos. Os termos mais pesquisados no Google em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião