Estivadores esperam solução em Leixões e Caniçal até ao fim da semana

  • Lusa
  • 19 Dezembro 2018

O presidente do SEAL espera uma solução para as "perseguições" por "filiação sindical" nos portos de Leixões e Caniçal até ao fim desta semana. António Mariano foi ouvido esta quarta-feira na AR.

O presidente do Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL), António Mariano, espera que se resolvam até ao final desta semana nos portos de Leixões e Caniçal as “perseguições” devido a “filiação sindical”. Em audição no Comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, no âmbito de um requerimento do Bloco de Esquerda, o líder sindical garantiu que o acordo do passado dia 14 com os operadores “não tem nada de diferente” da proposta do SEAL de julho acerca da integração de trabalhadores precários no porto de Setúbal.

“A única coisa que faltava garantir era que os problemas nos portos de Leixões e do Caniçal, em virtude da sua filiação sindical, serão ultrapassados durante esta semana”, disse o dirigente aos deputados, notando que os filiados no SEAL têm sido “perseguidos” e com os salários diminuídos. Acerca do porto de Lisboa, o sindicalista referiu que o prazo para o acordo ser efetivado é 15 de janeiro. A mesma fonte referiu que “desde ontem [terça-feira] começaram a ser assinados os contratos sem termo” para os primeiros 56 trabalhadores de Setúbal.

No passado dia 14 foi assinado um acordo entre o SEAL e os operadores portuários, sob mediação do Governo, para o regresso ao trabalho dos estivadores do porto de Setúbal. Este acordo prevê a passagem imediata a efetivos de 56 trabalhadores precários (mais 10 a 37 numa segunda fase) e o levantamento de todas as formas de luta, incluindo a greve ao trabalho extraordinário.

O acordo pôs fim a um conflito com os estivadores precários de Setúbal que recusavam apresentar-se ao trabalho desde o dia 5 de novembro e garante também a prioridade na atribuição de trabalho aos atuais trabalhadores eventuais que não sejam integrados nos quadros dos operadores portuários, face a outros que ainda não estejam a laborar no porto de Setúbal.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estivadores esperam solução em Leixões e Caniçal até ao fim da semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião