França avança com taxa digital. Deve render 500 milhões

  • Guilherme Monteiro
  • 19 Dezembro 2018

Os 500 milhões de euros que a taxa deverá gerar vão servir para colmatar aumento de despesa com as cedências às exigências dos "coletes amarelos".

Google, Appe, Facebook ou Amazon vão ver as receitas da sua faturação serem taxadas pelos gauleses já a partir do dia 1 de janeiro. Uma medida que deverá render aos cofres franceses cerca de 500 milhões de euros e que deverão servir para colmatar os cerca de oito mil a dez mil milhões de euros de aumento na despesa depois do presidente Emmanuel Macron ter cedido às exigências dos “coletes amarelos”. A medida pode ser parte de uma alternativa fiscal para reduzir a previsão do défice que deverá chegar aos 3,2% em 2020.

Apesar do avanço do Governo francês relativamente ao bloco europeu, a medida para taxar os gigantes digitais continua em discussão entre os ministros da União. A Comissão Europeia já apresentou propostas para um imposto de 3% sobre as vendas de grandes empresas tecnológicas com receitas globais acima de 750 milhões de euros.

No entanto, os críticos da medida acusam a instituição de poder violar as leis internacionais que garantem a igualdade de tratamento para empresas de todo o mundo. O imposto tem mesmo dividido os estados-membros. A Irlanda, a República Checa, a Suécia e a Finlândia opuseram-se. Países como a Dinamarca, ou a Irlanda querem ver os lucros serem tributados em vez das receitas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França avança com taxa digital. Deve render 500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião