Hoje nas notícias: Universidades, Aga Khan e lixo

  • ECO
  • 21 Dezembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que marcam o dia.

O Governo quer acelerar o processo de construção de residências para estudantes universitários. Para isso, e para que no próximo ano letivo já haja mais oferta, vai tornar as regras das universidades e dos politécnicos mais flexíveis. No imobiliário, Aga Khan comprou um terreno ao ex-BPN , em Oeiras, para construir uma academia e a Herdade do Rio Frio, que é um dos maiores terrenos do país, foi posta à venda. E no setor bancário, há seis bancos (entre eles o Novo Banco) que já pediram mais de 632 milhões de euros ao Estado através de créditos tributários.

Universidades podem construir residências sem concurso público

O Governo quer acelerar a construção de novas residências para os estudantes do ensino superior. Para permitir que as obras avancem já no primeiro semestre de 2019, ainda a tempo de reforçar a oferta de alojamento no próximo ano letivo, o Executivo decidiu ser mais flexível em algumas das regras impostas às universidades e politécnicos. Estas instituições de ensino ficam, por exemplo, dispensadas de lançar concursos públicos, sendo apenas obrigadas a consultar três entidades que possam realizar as obras. Ao todo, serão criadas 12 mil novas camas em mais de 200 edifícios.

Leia a notícia completa em Público (acesso pago).

Bancos pedem 632 mil milhões de euros em créditos ao Estado

Há seis bancos que já pediram mais de 632 milhões de euros ao Estado através de créditos tributários. “Em 31 de dezembro de 2017, encontravam-se em apreciação pela Autoridade Tributária e Aduaneira [AT] créditos de seis instituições de crédito, referentes aos anos de 2015 e 2016, no valor global de 632 milhões de euros”, nota o parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado do ano passado. Em causa está o Regime Especial aplicável aos Ativos por Impostos Diferidos (REAID), que permite recuperar ativos por impostos diferidos elegíveis ao longo do tempo que as entidades aderentes pretenderem, bem como, quando têm prejuízos, pedirem a sua restituição ou utilização futura para redução da fatura fiscal.

Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

Aga Khan compra terrenos a ex-BPN para construir academia

Já se sabia que Oeiras era a localização escolhida pela comunidade ismaelita, que tem em Aga Khan o seu líder, para localizar uma academia. Agora há novos detalhes. Aga Khan comprou um terreno com 49 hectares em Oeiras, perto da zona do Taguspark, por quatro milhões de euros. Quem vende é a Parvalorem, a entidade estatal que ficou com os despojos considerados tóxicos do antigo Banco Português de Negócios (BPN). A escritura pública do contrato de compra e venda, entre a Parvalorem e o Imamat Ismaili, será realizada no próxima dia 11 de janeiro.

Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

Estado e BCP colocam Herdade do Rio Frio à venda

É um dos maiores terrenos agrícolas de Portugal, com vocação de produção agropecuária e de desenvolvimento de atividades turísticas, desportivas e culturais. Agora, a Herdade do Rio Frio está à venda. A decisão foi tomada pelos acionistas do terreno com mais de cinco mil hectares: o Estado, através da holding Parvalorem, e o BCP.

Leia a notícia completa em Jornal Económico (acesso pago).

Não separar o lixo vai dar direito a multa

Quem ainda não se familiarizou com os ecopontos amarelo, azul, verde e vermelho, deve começar já a dedicar-se à reciclagem. É que no Porto, a reciclagem vai começar a ser motivo para aplicar multas. Ou melhor, quem não separar o lixo é que vai passar a ser autuado.

Leia a notícia completa em Jornal de Notícias (acesso pago).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Universidades, Aga Khan e lixo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião