Marcelo pede consensos políticos básicos em áreas como Saúde, Justiça ou Educação

  • Lusa
  • 21 Dezembro 2018

Presidente da República criticou mudanças cíclicas na Saúde, Justiça e Educação e apelou consensos entre os partidos.

O Presidente da República defendeu esta sexta-feira que os políticos devem encontrar consensos básicos em áreas chave da governação e criticou as mudanças cíclicas na Justiça ou na Saúde, conforme os governos sejam de direita ou esquerda.

O aviso foi deixado por Marcelo Rebelo de Sousa no encerramento do Conselho da Diáspora Portuguesa, no Palácio da Cidadela, em Cascais, em que fez uma análise ao estado do Mundo, da Europa e do país.

Marcelo afirmou que, para desenvolver o país e evitar problemas com políticos, “deve haver consensos básicos naquilo que deve ser duradouro”, em áreas como a saúde, justiça ou educação.

“Não se pode rever o sistema de justiça em todos os governos, não se deveria rever o sistema de Saúde todos os governos”, exemplificou Rebelo de Sousa, dizendo que estas políticas não deveriam variar conforme os executivos sejam de direita ou de esquerda.

Para o Presidente, que discursou para uma plateia onde estava o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, “deve haver naturalmente entendimentos”.

“Não se quer chamar consensos, chame-se acordos, entendimento, aproximação de pontos de vista”, ironizou Marcelo Rebelo de Sousa, para quem, ao mesmo tempo, é preciso que existam “alternativas claras” de governação na hora de os cidadãos irem votar.

Se “não há alternativas claras, há um vazio” que pode não ser ocupado por forças políticas e sociais do sistema e ser ocupado por “novas realidades vindas fora do sistema”, avisou Marcelo, numa referência, sem as nomear, às forças populistas ou de extrema-direita, em ascensão na Europa.

São os partidos e as forças sociais portugueses já existentes que, aconselhou, se devem reajustar e dar resposta aos problemas colocados pelos cidadãos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo pede consensos políticos básicos em áreas como Saúde, Justiça ou Educação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião