E se a sua ceia viesse numa caixa tipo presente de Natal?

  • Guilherme Monteiro
  • 23 Dezembro 2018

Startup quer fazê-lo poupar tempo na compra de alimentos e evitar desperdício. Trazer receitas inovadoras é outras das possibilidades dos kits da Dinngo.

E se todos os ingredientes de que necessita para a ceia de Natal fossem ter a sua casa, prontos para ser cozinhados e servidos? Evitava filas no supermercado, não tinha de perder tempo no estacionamento, nem sequer sair do aconchego do lar. E tudo o que parece mero sonho tornou-se realidade. Chama-se Dinngo a empresa que trouxe até Portugal um conceito inovador de fazer cozinha.

“Nós preparamos e desenvolvemos receitas, depois compramos e entregamos ingredientes nas quantidades exatas para qualquer pessoa poder confecionar em casa”, explica Sofia Dias, fundadora da Dinngo. A empreendedora conta que foram os “muitos anos fora” que a inspiraram a construir esta startup. Trabalhou no Reino Unido, nos Estados Unidos e em Espanha onde viu “outros concorrentes com negócios semelhantes e costumava comprar”. Entretanto, voltou para Portugal e considerou que “era uma boa oportunidade de negócio”.

"Nós preparamos e desenvolvemos receitas para e depois compramos e entregamos ingredientes nas quantidades exatas para qualquer pessoa poder confecionar em casa.”

Sofia Dias

Fundadora da Dinngo

Basta ir à página online da empresa e fazer a encomenda para receber os ingredientes frescos e na quantidade certa para o número de pessoas que convidar para o repasto. Uma nova forma de pensar a cozinha que pretende reduzir ao “mínimo o desperdício de ingredientes e poupar tempo”.

Para além disso, a empreendedora revela outro aspeto destas encomendas. “As pessoas têm gostado da possibilidade de poderem cozinhar coisas que nunca cozinhariam, que não sabiam cozinhar. A possibilidade de cozinhar, por exemplo, pad thai, um prático típico tailandês”.

É que, para fazer comidas exóticas, têm que se comprar por norma produtos que raramente são utilizados na cozinha portuguesa. Sofia aponta uma vez mais o exemplo do pad thai e, neste caso, da necessidade de comprar pasta de tamarind. “Vai ter de andar à procura da pasta que não encontra em todo o lado e comprar um boião enorme. Fica com as coisas no frigorifico que vão para o lixo. É desperdício. Assim, podemos fazer a receita normal da semana ou receitas mais exóticas sem qualquer desperdício”.

Para além da poupança de tempo e de economizar recursos, Sofia confessa que a parte educacional é também importante para si, ao “ajudar as pessoas a comerem outras coisas, a trazer outros sabores”.

Kits para a noite de consoada

Os kits de ingredientes vão estar disponível todos os dias do ano mas, na quadra natalícia, há três receitas especiais. Do peru ao bacalhau passando pelo polvo, a empresa tem preparadas kits diferentes, cada um para quatro pessoas.

O cliente vai receber “o prato principal com os ingredientes todos certinhos e, além disso, entregamos uma receita com todos os passos: só tem de misturar. É quase um IKEA. Pode-se chamar o IKEA da comida, porque a pessoa tem o guia, tem a receita e já tem os alimentos todos pesados. É só seguir as dicas que a receita traz”. A ementa de bacalhau custa 59,98€, um valor médio entre o polvo (82,99€) e o peru (59,98). Para além dos ingredientes para o prato principal, todas os kits vêm acompanhadas de vinho, salada e sobremesas para quatro pessoas. As encomendas precisam de ser feitas pelo menos até ao dia anterior à entrega.

Depois do Natal, a equipa continua a trabalhar. “Todas as semanas vamos emitir receitas diferentes”, promete a criadora da Dinngo.

"Todas as semanas vamos emitir receitas diferentes.”

Sofia Dias

Fundadora da Dinngo

A startup está numa incubadora no Mercado Abastecedor de Lisboa e integra atualmente uma equipa com cinco pessoas. A proximidade aos produtores permitir à empresa “ir buscar os ingredientes frescos diretamente ao produtor”. Por enquanto, o conceito só está disponível em Lisboa mas, no futuro, Sofia Dias não descarta a possibilidade de ver a empresa distribuir noutros pontos do país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se a sua ceia viesse numa caixa tipo presente de Natal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião