Uma a uma, em quanto é que cada operador vai baixar os preços da eletricidade?

Depois de a ERSE anunciar a descida das tarifas no mercado regulado, várias operadoras do mercado liberalizado revelaram que vão seguir o exemplo. Algumas até baixam mais que os 3,5%.

Se muitos produtos e serviços ficam mais caros a 1 de janeiro, o preço da eletricidade segue o rumo inverso. Depois de a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciar a redução das tarifas no mercado regulado, as operadoras do mercado liberalizado decidiram seguir o exemplo, anunciando descidas que chegam, no limite, a 6,3%.

A ERSE definiu uma descida do preço de 3,5%, redução que foi rapidamente acompanhada pelo maior operador do mercado livre, a EDP Comercial, que tem uma quota de 81%. E todas as outras operadoras com peso neste mercado acabaram por alinhar na descida dos preços, cada uma com a sua redução.

As descidas anunciadas por cada uma das operadoras são médias, já que cada família tem o seu perfil de consumo de eletricidade, havendo também clientes quepodem ter tarifas duais, em conjunto com gás natural. No terceiro trimestre do ano, a Goldenergy e a Galp eram as operadoras que tinham as ofertas mais em conta, de acordo com as comparações da ERSE.

O mercado livre já tem mais de 5 milhões de clientes. Se é um deles, conheça as descidas anunciadas para cada um dos principais operadores para o novo ano.

Endesa baixa preços 6,3%, em média

A empresa que, em Portugal, é liderada por Nuno Ribeiro da Silva diz que “apesar da constante subida do custo da eletricidade nos últimos anos, a Endesa não irá refletir essa subida nas faturas dos seus clientes”. O CEO em Portugal aponta que “a descida da tarifa de acesso em 11% não compensou o aumento dos custos energéticos”, mas mesmo assim os preços vão baixar.

A operadora opta assim por descer os preços, acompanhando a tendência definida pela ERSE para o mercado regulado. Mas enquanto estes clientes contam com uma descida de 3,5%, a Endesa aponta para uma redução no valor médio de 6,3%.

Tarifas da Goldenergy descem 4%

O investimento na transformação digital e o aumento da eficiência da Goldenergy são os fatores que permitem uma redução nos preços praticados pela empresa, indica fonte oficial ao ECO. Neste sentido, a operadora, que tem uma quota de mercado de 1,7%, de acordo com os últimos dados disponíveis na ERSE, vai reduzir as tarifas em 4%.

Na campanha dual, um dos tarifários mais básicos, o preço por quilowatt da energia fica a 0,1584 euros, e o preço da potência a 0,1461 euros, de acordo com a informação enviada ao ECO.

EDP Comercial segue ERSE com redução de 3,5%

“A EDP irá reduzir preços de eletricidade para as famílias em 2019, registando uma descida média de 3,5% para 90% destes clientes”, disse fonte oficial da empresa ao ECO.

Os restantes clientes domésticos, que representam 10% do total, “também beneficiarão de uma redução, com ligeiras diferenças por escalão”, explica a empresa liderada por António Mexia.

Galp Energia desce, mas não diz quanto

A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva não revelou ao ECO uma percentagem para a descida dos preços, mais admite que vai reduzi-los. “Tal como na tarifa regulada, as tabelas de preços de eletricidade da Galp vão descer já no dia 1 de janeiro de 2019“, refere fonte oficial da empresa.

No entanto, de acordo com o Dinheiro Vivo (acesso livre), a empresa está a enviar emails aos seus clientes com os novos tarifários, onde se pode verificar uma descida, em média, de 2,6%.

Iberdrola “acompanha evolução dos preços”

A empresa espanhola Iberdrola refere que “ainda não dispõe de informação” sobre a atualização das tarifas no mercado nacional. Contudo, “de certo que iremos acompanhar a evolução dos preços”, assegura.

A operadora espanhola tem uma quota de 5,4% no segmento dos particulares em regime livre, sendo líder em Portugal no segmento de grandes consumidores, de acordo com a ERSE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma a uma, em quanto é que cada operador vai baixar os preços da eletricidade?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião