Notas de 500 euros vão começar a ser retiradas pelos bancos centrais

Os bancos nacionais dos países da Zona Euro vão reter as notas que cheguem à sua posse a partir de 27 de janeiro. A medida tem como objetivo combater a fraude fiscal.

Já utilizou uma nota de 500 euros? Se ainda não, o tempo para o fazer está a acabar. Esta nota encontra-se muitas vezes no centro de operações ilegais como lavagem de dinheiro, tráfico de drogas ou terrorismo, o que fez com que o Banco Central Europeu (BCE) ordenasse a sua retirada.

Será a partir de 27 de janeiro que os bancos nacionais dos membros da zona euro começam a reter as notas roxas que cheguem à sua posse, segundo avança o El País (acesso livre/conteúdo em inglês). Existem cerca de 521 milhões de notas destas a circular pelo Velho Continente, o que é o mesmo do que em 2008.

Na Alemanha e na Áustria existe uma maior utilização das notas de 500 euros, por isso os países vão ter um pouco mais de tempo, de forma a garantir “uma transição suave por razões logísticas”, segundo justificaram ao BCE. O Banco Federal da Alemanha e o Banco Nacional da Áustria vão continuar a introduzir as notas no mercado até 26 de abril deste ano.

As notas já deixaram de ser fabricadas em 2014, e o BCE estima que cerca de um quarto delas está fora da União Europeia (UE). Aquelas em circulação decresceram 14,7% desde janeiro de 2016 até novembro do ano passado, e representam agora 2,4% do dinheiro europeu em papel.

Quem tiver notas destas pode continuar a pagar com elas mesmo depois de serem retiradas, ou então trocá-las no Banco de Portugal ou nos restantes bancos centrais dos países da UE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Notas de 500 euros vão começar a ser retiradas pelos bancos centrais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião