Viver numa ilha e tomar conta de um farol por 65 mil dólares anuais? Pode ser o seu próximo trabalho

O farol está por conta de um casal, que irá sair em abril deste ano. Os substitutos têm de preencher alguns requisitos, como um deles ter uma licença da guarda costeira para operar barcos.

Há um posto de trabalho por ocupar que pode encher as medidas de muitas pessoas. Um farol de 1874 transformado em bed and breakfast, numa pequena ilha na baía de São Francisco, nos Estados Unidos, precisa de alguém para tomar conta das operações. O salário? Cerca de 65 mil dólares por ano.

Quem atualmente gere o farol de East Brother é um casal, que precisa de um substituto até abril deste ano. Procuram outro casal, em que um dos membros tenha uma licença da guarda costeira para operar barcos comerciais, lê-se no SF Gate (acesso livre/conteúdo em inglês). Este requisito é necessário já que uma das funções será transportar os hóspedes de e para terra.

A ilha onde se situa o farol está na lista de locais históricosWikimedia commons

O casal que for escolhido tem garantido alojamento e alimentação na ilha, e recebe aproximadamente 130 mil dólares por ano, divididos igualmente entre os dois. O valor varia consoante alguns incentivos e fatores, como a ocupação da pousada, que tem cinco quartos e está aberta quatro dias por semana.

Os novos administradores teriam de tratar do pequeno-almoço e do jantar, sendo preciso boas capacidades culinárias. A ilha de aproximadamente quatro mil metros quadrados onde se situa o farol, que já faz parte da lista estatal e federal de locais históricos, também está disponível para eventos.

A gestora da ilha revela que costuma receber à volta de uma dúzia de candidaturas que se qualificam, com a licença necessária, e muitos mais que tentam a sua sorte mesmo sem cumprir todos os requisitos.

Comentários ({{ total }})

Viver numa ilha e tomar conta de um farol por 65 mil dólares anuais? Pode ser o seu próximo trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião