Aliança desafia partidos que não apoiam Governo de Costa para coligação pós-eleitoral

  • Lusa
  • 11 Janeiro 2019

Pedro Santana Lopes deixou, esta sexta-feira, um desafio aos partidos que não apoiam o Executivo de António Costa. O líder do Aliança quer juntar-se a eles para formar uma coligação pós-eleitoral.

O líder do partido Aliança, Pedro Santana Lopes, desafiou, esta sexta-feira, os partidos que não apoiam o executivo socialista a formar um “acordo pós-legislativas” que derrote António Costa e viabilize um novo Governo.

“Neste ano eleitoral não podemos ignorar a realidade. Temos de derrotar a frente de esquerda e o Governo de António Costa”, começou por dizer Santana Lopes na intervenção de abertura do segundo dia da primeira Convenção da Europa e da Liberdade, organizada pelo Movimento Europa e Liberdade (MEL).

Para o concretizar, a “Aliança quer apresentar uma proposta simples, que os partidos que não estão envolvidos nessa solução inédita e de efeitos conhecidos no nosso país, admitam a constituição de uma grande aliança, um grande movimento de crescimento, liberdade e progresso”.

Neste movimento “devem estar os partidos mais tradicionais já existentes, os que já se constituíram e aqueles que estão, por ventura prometidos nascer”, apontou.

Para Santana Lopes, existiriam duas possibilidades, uma “coligação pré-eleitoral com base nos resultados das europeias”, ou uma “coligação pós-eleitoral, com base nos resultados das eleições legislativas”.

A primeira “não recolhe a preferência da Aliança”, destacou, apontando que, na sua opinião, também “não é viável no atual quadro por razões que parecem óbvias”.

“A opção que admitimos, ou seja, a de um acordo pós-legislativas pressupõe naturalmente o que parece muito difícil hoje em dia, mas que tem o nosso empenho. Que as forças do centro-direita assumam a vontade e o propósito de viabilizarem conjuntamente a formação de um Governo patriótico, que inicie um novo ciclo político, económico e social”, assinalou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aliança desafia partidos que não apoiam Governo de Costa para coligação pós-eleitoral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião