Parlamento dá luz verde à lista dos devedores dos bancos ajudados pelo Estado. Lei segue para Belém

Já foi aprovada a lei que obriga os bancos ajudados pelo Estado a divulgar a lista dos grandes devedores incumpridores. Seguirá agora para promulgação da Presidência da República.

Já foi aprovada no Parlamento a lei que obriga os bancos ajudados pelo Estado a divulgar a lista dos grandes devedores incumpridores. O projeto legislativo segue agora para redação final e, posteriormente, para promulgação da Presidência da República.

“Foi aprovado tendo a abstenção do PS, com aprovação dos restantes grupos parlamentares”, anunciou Ferro Rodrigues, esta sexta-feira em plenário da Assembleia da República.

António Leitão Amaro, deputado do PSD e relator do texto conjunto que foi subscrito também pelo CDS, PCP e Bloco de Esquerda, disse que a nova lei vem “impor mais transparência e fiscalização sobre as ajudas públicas”. “Com isto fazemos justiça ao esforço dos portugueses”, referiu.

Em causa estão novas regras de transparência e controlo dos créditos incumpridos dos bancos ajudados pelo Estado, o que vai permitir aos deputados terem acesso à lista dos grandes devedores que estão em situação de incumprimento.

Esta iniciativa legislativa tem dois objetivos: por um lado, assegurar o acesso a informação sobre os créditos em incumprimento por parte das comissões parlamentares de inquérito da Assembleia da República e, por outro, estabelecer um mecanismo de transparência e controlo para os bancos que receberam ou venham a receber ajuda pública à sua capitalização. Entre outras regras, a partir de agora, os bancos que recorrerem à ajuda pública vai ser alvo de auditoria especial ordenada pelo Governo.

O Parlamento também deu luz verde à proposta do Governo para que os bancos comuniquem à Autoridade Tributária os saldos bancários superiores a 50 mil euros. As instituições financeiras vão ter de comunicar ao fisco o saldo bancário dos clientes até 31 de julho de cada ano relativamente às informações referentes ao ano anterior.

(Notícia atualizada às 13h38)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento dá luz verde à lista dos devedores dos bancos ajudados pelo Estado. Lei segue para Belém

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião