Netflix dispara. Tecnológicas animam Wall Street

As bolsas norte-americanas encerraram no verde, impulsionadas pelo desempenho das cotadas tecnológicas.

Os principais índices norte-americanos encerraram em terreno positivo, impulsionados pelas cotadas do setor tecnológico. O destaque foi para os títulos da Netflix, depois de a empresa de streaming ter anunciado um aumento nos preços nos Estados Unidos. Os investidores também se mostraram mais animados depois de o Governo chinês ter dito que pretendia implementar estímulos a curto prazo na economia do país.

O principal índice de referência, S&P 500, encerrou a somar 1,07% para 2.610,29 pontos, enquanto o industrial Dow Jones valorizou 0,65% para 24.065,59 pontos. O destaque desta sessão foi o tecnológico Nasdaq, que avançou 1,71% para 7.023,83 pontos, impulsionado pelo bom desempenho das cotadas do setor.

A estrela de Wall Street foi a Netflix, cujos títulos dispararam 6,52% para 354,64 dólares, depois a empresa ter anunciado que vai aumentar os preços dos seus serviços nos Estados Unidos. A acompanhar este sentimento positivo estiveram as ações da Apple, que somaram 2,05%, e da Alphabet que subiram 3,333%.

Somado a isto estiveram ainda as notícias vindas da China, deixando os investidores animados. O Governo chinês vai avançar com estímulos a curto prazo para evitar uma desaceleração da economia do país, depois de se ter observado uma quebra inesperada nas importações e exportações em dezembro.

“Tivemos boas notícias hoje nos mercados em geral”, disse JJ Kinahan, da TD Ameritrade, citado pela Reuters (conteúdo em inglês). “A China está a ajudar a neutralizar a montanha-russa emocional diária das tarifas e a confiança da Netflix de que pode aumentar o preço dos seus serviços também é muito positivo”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Netflix dispara. Tecnológicas animam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião