Ministro da Economia admite “nova fase do ciclo económico” com abrandamento mundial

O ministro Adjunto e da Economia assume que Portugal "é impactado" por Brexit e guerra comercial. "Não antecipamos contração", salienta, acrescentando que economia crescerá acima da média da UE.

O Governo admite que a economia portuguesa vai entrar numa “nova fase do ciclo económico” em resultado do abrandamento da procura mundial. O Executivo afasta a ideia de uma contração do PIB, acredita que Portugal vai continuar a crescer mais que a média da União Europeia, mas mostra-se menos otimista, apesar de no Orçamento do Estado para 2019 ter assumido uma ligeira desaceleração do ritmo de crescimento económico para o próximo ano. Para já não há revisão da projeção. Em abril, logo se vê.

“O percurso das empresas feito até aqui foi importante para a nova fase do ciclo económico (…) num cenário de abrandamento do ritmo de procura mundial”, afirmou o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, em resposta aos deputados da comissão de Economia, no Parlamento.

No OE 2019 o Governo previu um crescimento do PIB de 2,3% em 2018 e 2,2% este ano. No entanto várias instituições apontam para uma travagem acentuada para 1,8%, como o Banco de Portugal.

No entanto, este menor otimismo do Governo não deverá ter reflexos para já na previsão de crescimento económico. Em resposta a uma questão colocada pelo deputado do CDS Luís Pedro Mota Soares, o ministro defendeu que a previsão de variação do PIB inscrita no OE serve sobretudo “para suportar a previsão de receitas fiscais”, bem como de despesas, mas admitiu que esta “evolui e é sensível” à evolução da conjuntura. Pedro Siza Vieira lembrou que ao longo dos anos foi sendo feita uma “adequação” da previsão à conjuntura, uma relação que “não deixará de ser avaliada quando for apresentado o Programa de Estabilidade”, em abril.

O ministro identificou vários motivos para a desaceleração, como a guerra comercial entre a China e o EUA e a incerteza causada pela saída do Reino Unido da União Europeia (UE), que foi chumbado pelo Parlamento inglês esta terça-feira.

Siza Vieira salientou que o facto de Portugal ter uma economia exportadora e aberta faz com que o país seja “impactado por estas mudanças”. No entanto, defendeu que o Governo não antecipa uma contração “e continuamos a prever que a economia cresça acima da média da UE”, apoiando-se nas previsões feitas por várias instituições.

Perante este cenário, o ministro argumentou que é preciso continuar a apoiar as empresas. Destacou boas notícias dos últimos dias – foi dado um “passo importante” para fazer chegar carne de porco à China, houve um reforço de rotas áreas que permitiu aumentar os turistas britânicos para Faro, a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) vai assinar um contrato com uma instituição financeira para “pela primeira vez fazer chegar dinheiro às Midcap (empresas de média dimensão)” e o reforço de recursos humano na ANI – Agência Nacional de Inovação e o IAPMEI para acelerar a entrega de fundos comunitários às empresas.

(Notícia atualizada com mais declarações do ministro sobre eventual revisão da previsão de crescimento económico)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro da Economia admite “nova fase do ciclo económico” com abrandamento mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião