Simulações de IRS. Caso a caso, saiba quanto vai aumentar o seu salário

Já são conhecidas as tabelas de retenção na fonte para 2019. O ECO mostra-lhe quanto vai aumentar o seu rendimento líquido mensal. Um salário de 1.500€ terá um alivio mensal de 3 euros (42 euros/ano).

O Governo já publicou as tabelas de retenção na fonte de IRS. Conhecidas as taxas que vão vigorar este ano, já é possível calcular qual é a percentagem do salário que a sua entidade patronal vai reter todos os meses para entregar ao Fisco.

Este ano, como existe uma revisão em baixa das taxas de retenção, os trabalhadores dependentes e os pensionistas vão descontar menos para o IRS todos os meses, o que significa um aumento do rendimento líquido auferido ao final do mês.

Por exemplo, um trabalhador dependente não casado, sem filhos, e que ganhe 1.000 euros brutos mensais vai descontar todos os meses menos dois euros do seu salário para o IRS. Ao final do ano isto representa uma “poupança” de 28 euros.

Para um casal (dois titulares) com um filho e que ao final do mês ganhe 5 mil euros (2,5 mil cada um), as novas tabelas representam um aumento do rendimento bruto líquido de 15 euros/mês, ou seja, um alívio de 210 euros por ano (incluindo no subsídio de férias e Natal).

Mas atenção! Descontar menos para o IRS todos os meses não significa que os portugueses vão pagar menos ou mais impostos. O aumento do rendimento líquido mensal terá por contrapartida que em 2020, quando houver o acerto de contas com o Fisco referente aos rendimentos de 2019, os contribuintes vão receber um valor menor de reembolso (ou vão pagar mais caso o acerto assim o determine).

As novas taxas de retenção que vão estar em vigor este ano refletem as alterações feitas nos escalões de IRS em 2018 (passaram de cinco para sete) e implicaram uma baixa dos impostos para todos os que ganham até, sensivelmente, 40 mil euros por ano.

Isto porque, no ano passado, o Governo não atualizou as tabelas de retenção o suficiente para espelhar a baixa de IRS, o que quer dizer que ao longo de 2018 os portugueses andaram todos os meses a pagar mais o que deviam. Em contrapartida, este ano, quando receberam o reembolso, vão ter um cheque mais chorudo.

Com a atualização das tabelas de retenção feita agora, o Governo acaba por fazer o ajustamento que começou em 2018, o que quer dizer que os portugueses vão descontar todos os meses um valor mais próximo do IRS efetivo que têm de pagar. Mas em 2020, o reembolso será naturalmente menor se tiverem dinheiro a haver do Fisco (ou o pagamento de IRS será maior, caso o acerto assim o determine).

O que muda no seu salário em 2019?

Conhecidas as novas tabelas, já pode agora calcular o desconto mensal de que será alvo o seu salário todos os meses. Os cálculos são feitos pela PwC, no que diz respeito à taxa de IRS a pagar antes das deduções, e pelo ECO, no que diz respeito aos valores da retenção mensal.

Fonte: PwC e ECO

No caso de um trabalhador dependente, sem filhos e com 1.000 euros de rendimento bruto mensal, a taxa efetiva de retenção na fonte de IRS desce de 11,9% para 11,7% (em 2019). Deste modo, o trabalhador em causa passará a descontar menos 2 euros todos os meses, levando para casa mais 28 euros ao final do ano.

Já um trabalhador dependente, sem filhos e com 1.500 euros de rendimento bruto mensal verificará um “poupança” de 3 euros mensais ou 42 euros anuais. Isto porque a taxa de retenção desce de 18% para 17,8%.

Um trabalhador também dependente e sem filhos, mas com um rendimento mensal de 2.000 euros verá, por sua vez, o seu rendimento subir, ao fim do mês, 6 euros, que se traduz numa “poupança” de 84 euros anuais. A taxa, neste caso, recua de 22,9% para 22,6%.

Maior poupança, em termos absolutos, fará um trabalhador também dependente e sem filhos, mas com um rendimento mensal de 2.500 euros. Ao fim do mês, verá o seu rendimento subir 10 euros, que se traduzem em 140 euros anuais (considerandos também os impactos nos subsídios de férias e Natal). A taxa recua de 26% para 25,6%.

No caso de um casal (com dois titulares), com um dependente e 3.000 euros de rendimento mensal (1.500 euros por titular), a taxa desce de 17,2% para 17%. Tal recuo traduz-se numa “poupança” de 6 euros mensais ou 84 euros anuais.

Já um casal com as mesmas condições, mas 4.000 euros de rendimento mensal (2.000 euros por titular) passa a receber mais 12 euros por mês, porque a taxa desce de 22,4% para 22,1%.

Por sua vez, um casal com um dependente e 5.000 euros de rendimento mensal (2.500 euros por titular) “poupa” 15 euros (210 euros por ano), descendo a taxa de 25,5% para 25,2%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Simulações de IRS. Caso a caso, saiba quanto vai aumentar o seu salário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião