BCP quer emitir 220 mil cartões da UnionPay em cinco anos e faturar 841 milhões

  • ECO e Lusa
  • 25 Janeiro 2019

Mais de 220 mil cartões em cinco anos, gerar faturação de 840 milhões de euros e chegar a mais de 10.000 comerciantes, são os objetivos traçados pelo BCP que vai emitir cartões da chinesa UnionPay.

O Millennium BCP tem o objetivo de emitir mais de 220 mil cartões em cinco anos, gerar uma faturação de 840 milhões de euros e chegar a mais de 10.000 comerciantes, divulgou esta sexta-feira o banco.

O BCP iniciou hoje a emissão de cartões da UnionPay para os seus clientes, tornando-se o primeiro banco europeu a emitir cartões desta empresa chinesa.

Na sessão de apresentação da parceria que decorreu hoje em Lisboa, o presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse que a parceria do banco com o emissor de cartões UnionPay será benéfica, tanto para turistas chineses que visitam Portugal, como para empresários portugueses na China.

O acordo com a UnionPay “permite aos nossos comerciantes e a toda a indústria do turismo poder beneficiar da aceitação desses pagamentos”, bem como beneficia “pessoas que se deslocam ao continente asiático e à China”, já que não terão de “trocar ou andar com divisas na sua carteira”, afirmou o responsável.

“Esta possibilidade de emitirmos cartões da UnionPay chega num momento importante, um momento em que se verifica um fluxo crescente de turistas com origem quer da China quer asiáticos em geral”, disse Miguel Maya.

O presidente executivo do BCP referiu ainda que a relação do banco com as suas operações em Angola e Moçambique constituem uma “oportunidade” para investidores chineses.

“Obviamente que esta relação que temos, privilegiada, com as operações africanas constitui uma oportunidade de expansão da nossa relação com investidores chineses” como a UnionPay, disse durante a apresentação da parceria.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP quer emitir 220 mil cartões da UnionPay em cinco anos e faturar 841 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião