Governo anula há dois meses incentivos às empresas para limpar projetos parados

Em novembro e dezembro de 2018, o saldo entre os incentivos aprovados e as operações anuladas foi negativo. Em causa estão 29 milhões de euros. Em outubro de 2017 já se tinha verificado a situação.

Com o Portugal 2020 a entrar na reta final, as autoridades de gestão dos incentivos às empresas estão há dois meses a anular os projetos que não estão a ter execução. Ou seja, em novembro e dezembro de 2018, o saldo entre os incentivos aprovados e as operações anuladas foi negativo. Em causa estão 29 milhões de euros em incentivos.

Esta não é a primeira vez, no Portugal 2020, que um mês apresenta um saldo negativo em termos de incentivos aprovados. Foi em outubro de 2017 que essa situação se verificou pela primeira vez, com uma anulação de 14 milhões de euros. “Em causa estão várias anulações e de pequena dimensão”, disse ao ECO, na altura, o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão. “Foram largas dezenas de projetos”, precisou Nelson Souza, justificando que se trata de “um ato de gestão normal”.

Valor do incentivo aprovado no Portugal 2020

Fonte: Compete 2020; Valores em milhões de euros

A justificação repete-se. De acordo com fonte oficial do Compete, o programa operacional das empresas, os 29 milhões de euros agora anulados resultam de um ato de gestão e não traduzem qualquer intenção de levar a cabo uma operação de limpeza, à semelhança do que aconteceu em 2012 com o anterior quadro comunitário de apoio (QREN), eliminando os projetos cuja execução teimava em não arrancar. De sublinhar que, neste caso, as empresas ainda não tinha recebido o dinheiro do apoio, porque a anulação é feita ao nível dos apoios aprovados e não dos pagamentos. Mas, o efeito prático resulta na libertação de verbas.

As anulações podem surgir por duas razões: ou porque o projeto não cumpriu as regras definidas no contrato assinado aquando da atribuição do incentivo comunitário, ou porque a empresa desistiu de levar o projeto por diante com apoios de Bruxelas (a empresa até pode continuar a desenvolver o projeto, mas sem verbas do quadro comunitário).

No entanto, num momento em que o programa está desde fevereiro de 2018 a aprovar projetos em regime de overbooking — acima da dotação inicial de 3.983 milhões de euros –, libertar dinheiro que não está a ser executado é uma ajuda para apoiar novos projetos (agora já com as novas regras), mas também para acelerar a taxa de execução do sistema de incentivos.

Em dezembro de 2018, de acordo com o boletim mensal provisório, a taxa de execução é 47%. No último mês de 2018 foram executados 135 milhões de euros, o mês com a execução mais elevada do Sistema de Incentivos, e que representa um aumento de 193% face ao mês anterior no qual a execução mensal foi de 46 milhões de euros. Até então, a execução mensal máxima conseguida tinha sido de 87 milhões de euros (em março e em dezembro de 2017). Estes dados ainda podem vir a sofrer algumas alterações, porque o boletim de dezembro é provisório, já que os dados finais só serão apurados em maio de 2019 quando for feito o fecho de contas com o relatório que será entregue à Comissão Europeia.

De sublinhar que, desde a reprogramação do Portugal 2020, as empresas têm um reforço da dotação do sistema de incentivos que, graças ao novo mecanismo de alavancagem pela banca da componente reembolsável dos fundos, deverá permitir um investimento adicional das empresas de cinco mil milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo anula há dois meses incentivos às empresas para limpar projetos parados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião