Banco de Inglaterra adverte para perigos globais de “hard Brexit”

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2019

O governador do Banco de Inglaterra diz que o Brexit vai ser o primeiro teste à globalização e alerta que o Reino Unido deve evitar o protecionismo.

O governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, avisou esta terça-feira que um “Brexit” sem acordo causará um “choque económico” que pode ter consequências globais, num momento crítico da economia mundial.

Num discurso em Londres, Carney instou o Parlamento britânico a resolver o “impasse” sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), o designado “Brexit”, após a rejeição no passado dia 15 de janeiro do acordo apresentado pelo Governo britânico e alcançado em negociações com Bruxelas. “É do interesse de todos, de todas as partes”, que se alcance uma solução, afirmou o governador.

“Uma situação de não-acordo seria um choque económico para este país e enviaria um sinal a nível global sobre a refundação da globalização. Isso seria lamentável”, considerou. Os efeitos de uma separação desordenada da UE iriam juntar-se ao abrandamento da economia chinesa e à guerra comercial entre Pequim e Washington, apontou.

Carney disse que a tensão comercial, o aumento do protecionismo e o “Brexit” são “manifestações de pressões fundamentais para reorganizar a globalização”.

O governador do banco central salientou que o processo do ‘Brexit’ gerou “um alto nível de incerteza” e que “as empresas estão à espera para tomar decisões importantes”, considerando fundamental que se alcance uma saída ordenada da UE.

Na passada quinta-feira, o Banco de Inglaterra reviu em baixa para 1,2% a previsão de crescimento da economia britânica para este ano, o ritmo mais baixo desde 2009. Em novembro, a previsão do banco central antecipava um crescimento de 1,7%. Num documento divulgado no final do ano passado, o banco central advertiu que um ‘Brexit’ sem acordo e sem um período de transição poderia levar a uma descida de 8% do Produto Interno Bruto (PIB), levando o país à recessão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Inglaterra adverte para perigos globais de “hard Brexit”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião