Catarina Martins considera que moção de censura “não é para ser levada a sério”

  • Lusa
  • 16 Fevereiro 2019

“Uma moção de censura que é tão contraditória nos seus termos não é seguramente para ser levada muito a sério”, disse Catarina Martins.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, considerou este sábado que a moção de censura ao Governo, apresentada pelo CDS-PP, “não é para ser levada a sério”, acusando os centristas de contradições.

Falando aos jornalistas à margem da reunião da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda, que decorreu em Lisboa, a líder do BE referiu que “não deixa de ser interessante, ou revelador, que o CDS apresente a contestação, as greves, as contestações laborais como uma das causas da moção de censura, quando o mesmo CDS tem votado contra todas as reivindicações concretas destas contestações”.

“Os trabalhadores não fazem reivindicações no vazio contra um Governo, fazem reivindicações concretas sobre a sua carreira, sobre o seu salário, sobre as suas condições de vida, e sobre todas essas matérias, todas as posições do CDS foram contrárias a qualquer solução que hoje está a ser pedida em várias áreas”, sustentou.

Catarina Martins concluiu por isso que “uma moção de censura que é tão contraditória nos seus termos não é seguramente para ser levada muito a sério”.

“O Bloco de Esquerda votará, naturalmente, contra, como já toda a gente sabia mesmo antes de a moção de censura ser apresentada, e o próprio CDS-PP também”, acrescentou.

Para a líder bloquista, esta moção de censura “tem mais a ver com o lançamento da campanha eleitoral à direita”.

“Julgo que é isso que o CDS está a fazer, a posicionar-se, está no seu direito”, considerou, advogando que “acrescenta muito pouco do ponto de vista do debate político”.

A moção de censura ao Governo, anunciada na sexta-feira pela líder do CDS, Assunção Cristas, vai ser discutida no parlamento na quarta-feira, disse à Lusa fonte da direção da bancada centrista.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins considera que moção de censura “não é para ser levada a sério”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião