Muitos sucessos, alguns falhanços. Estes CEO contam o que aprenderam com o mercado de capitais

Nem sempre corre bem -- como se viu no último trimestre do ano passado --, mas há sempre ensinamentos a tirar das operações em bolsa, como explicam os líderes de duas cotadas portuguesas.

Ir para a bolsa não é (nem deve ser) um bicho-de-sete-cabeças. Mas nem sempre procurar financiamento junto dos mercados corre como o esperado. Em Lisboa, depois de anos sem novas cotadas, a atração pelas ações ganhou um novo dinamismo. Entraram novas empresas, mas outras não foram tão bem-sucedidas. Há, contudo, sempre lições a tirar: ter um bom negócio, transparente, mas também bons parceiros, é a chave do sucesso, desde que haja apetite dos investidores.

“O sentimento no mercado no último trimestre do ano passado mudou muito, o que foi o principal fator condicionante”, afirmou José Maria Rego, co-fundador e CEO da fintech Raize. A empresa foi o último grande sucesso da bolsa de Lisboa: após uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) em que a procura por ações superou quatro vezes a oferta, entrou no mercado de capitais a valorizar quase 20%.

José Maria Rego considera que todo o processo tem corrido “bastante bem”. “A colocação foi muito positiva. Na altura, deu-nos uma grande visibilidade e, desde então, tem-nos permitido crescer”, diz. Desde a primeira sessão, dia 18 de julho, as ações desvalorizaram 30%, também elas afetadas pelo fim de ano negativo.

Depois da Raize, a Sonae tentou colocar o negócio do retalho (a Sonae MC) em bolsa, a Vista Alegre e a Pharol tentaram fazer aumentos de capital e, mais recentemente, a Science4you tentou também um IPO. Todas falharam.

“O que é positivo salientar é a vontade de explorar a bolsa e implementar novas estratégias, mesmo que não tenham conseguido. Penso que é uma questão de tempo até que haja novas oportunidades”, afirma o co-fundador da Raize, José Maria Rego, um dos oradores que estará presente, esta terça-feira, na conferência Via Bolsa, organizada pela Euronext Lisbon e que conta com o ECO como media partner.

"Houve sucesso no processo e lições aprendidas, quer para nós em termos de estratégia futura, quer para outras empresas que estejam a ponderar operações semelhantes. Independentemente do resultado, há pontos positivos e negativos.”

Nuno Marques

Chairman da Vista Alegre Atlantis

O gestor irá participar num painel sobre financiamento da economia real, liderado Filipa Franco, head of listing da Euronext Lisbon. Além do CEO da Raize, irão também debater o tema Nuno Marques, chairman da Vista Alegre Atlantis e Alberto Amaral, CEO da Flexdeal.

“Vou falar sobre um assunto que não sou muito experiente, porque só fizemos uma operação no mercado e não teve sucesso”, afirma Nuno Marques. “Apesar disso, houve sucesso no processo e lições aprendidas, quer para nós em termos de estratégia futura, quer para outras empresas que estejam a ponderar operações semelhantes. Independentemente do resultado, há pontos positivos e negativos”, garante.

Realismo (no montante e nas exigências) são os conselhos

A Vista Alegre cancelou, em dezembro, a colocação de mais de 21 milhões de títulos, justificando que as condições de mercado determinaram o insucesso na oferta. O aumento de capital serviria para reforçar o capital disperso em bolsa (free float) para 25%, dos atuais 2,5%, e iria render cerca de 17 milhões de euros. Apenas dois dias depois foi Pharol a anunciar que não ia avançar com um aumento de capital de 80 milhões de euros, que tinha planeado com o objetivo financiar o reforço de capital da Oi.

Além da Vista Alegre e da Pharol, também o Montepio falhou uma emissão de dívida. Mas nem tudo foram insucessos. No último trimestre do ano passado, e no arranque deste ano, foram colocados quase 1.600 milhões de euros em dívida por parte de empresas portuguesas: BCP, EDP, Mota-Engil, bem como Sporting SAD, Hovione e Casais (com dimensões mais pequenas e nalguns casos grandes dificuldades).

Nesse período, a bolsa de Lisboa também ganhou uma nova cotada. A Flexdeal é a primeira Sociedade de Investimento para o Fomento da Economia (SIMFE) portuguesa e tinha (segundo os prazos legislativos) até 4 de janeiro para ser cotada. Conseguiu-o a 24 de dezembro — qual presente no sapatinho, como disse a própria presidente da Euronext Lisbon, Isabel Ucha — e pouco negociou depois disso, mas cumpriu os prazos. Com mais ou menos sucesso, os gestores preferem ver o lado positivo e falam das lições que tiram.

“O mundo evolui e o mercado evolui. É muito importante perceber as razões pelas quais pretendem fazer a operação de mercado porque é determinante para a forma como se aborda o mercado. É também muito importante escolher bem os parceiros porque há muitos intervenientes e há um trabalho de divulgação e interação com os investidores”, refere o chairman da Vista Alegre Atlantis, que aponta como ponto positivo a visibilidade dada à empresa junto de investidores nacionais e internacionais.

José Maria Rego admite que vários administradores o procuram para saber como funciona, quais são os desafios e até pedir conselhos. “Os conselhos que dou dependem das empresas, começo por identificar o que é mais importante, como por exemplo ter as contas auditadas. Também falo sobre os montantes das operações, o que é que pode funcionar, a evolução da nossa operação e de onde apareceram os investidores”, afirmou.

São estes ensinamentos que José Maria Rego vai levar ao Via Bolsa 2019, evento que é uma “boa oportunidade para voltar a promover o mercado de capitais” que, acredita, tem “externalidades positivas” para as empresas. A Euronext Lisboa concorda e vê a promoção do financiamento em bolsa como um dos objetivos da conferência, a par de discutir o presente e deixar mensagens para o futuro.

“Vamos ter o testemunho de empresas com experiência no mercado de capitais, umas com experiências mais positivas, outras nem tanto, mas todas com vontade de falar abertamente sobre o conhecimento que têm retirado desta experiência e vivência“, afirmou fonte oficial da gestora de mercados de capitais europeus, entre eles o português, ao ECO. “Passaremos ainda pela supervisão, regulamentação, a união dos mercados de capitais e tecnologia”, remata.

Comentários ({{ total }})

Muitos sucessos, alguns falhanços. Estes CEO contam o que aprenderam com o mercado de capitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião