Empresas têm 3,5 biliões em dívida para reembolsar até 2021. Alerta é da OCDE

A colocação de novas obrigações empresariais caiu 41% no ano passado. OCDE sublinha, no entanto, que desde 2000 que a emissão de títulos em grau especulativo não era negativa.

As empresas não financeiras globais têm quatro biliões de dólares (mais de 3,5 biliões de euros) em dívida por reembolsar ou refinanciar, até 2021. Apesar da diminuição nas novas emissões, em 2018, um relatório publicado esta segunda-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) alerta para os desafios das empresas muito endividadas nos próximos três anos.

A OCDE aponta para “elevados riscos e vulnerabilidades associados ao atual stock de dívida empresarial” no relatório sobre o mercado de obrigações empresariais em tempos de política monetária não convencional. “Primeiro, há preocupações sobre o crescimento económico global”, afirma, sublinhando que empresas altamente endividadas irão enfrentar dificuldades em gerir as dívidas no caso de uma inversão económica. Por outro lado, a diminuição no investimento e taxas mais elevadas de incumprimento poderiam amplificar os efeitos dessa mudança na economia.

Em segundo lugar, a OCDE lembra que os maiores bancos centrais do mundo (incluindo a Reserva Federal norte-americana, mas também em menor escala o Banco Central Europeu) alteraram recentemente o uso de medidas extraordinárias. Apesar de no caso do BCE ainda ser uma mudança ligeira, o futuro da política monetária afeta as dinâmicas de dívida empresarial. Por último, a organização antecipa que a emissão de dívida pública pelos Estados globais atinja um novo recorde em 2019.

“Qualquer desenvolvimento nestas áreas irá acontecer numa altura em que as empresas não financeiras terão de reembolsar ou refinanciar cerca de quatro biliões de obrigações”, alerta a OCDE. Para pôr o montante em perspetiva, explica que este se aproxima do total da folha de balanço da Reserva Federal dos EUA. Em termos geográficos, o valor divide-se por 2,9 biliões de dólares (2,4 biliões de euros) em economias avançadas e 1,3 biliões de dólares (1,1 biliões de euros) em economias emergentes.

Desde a crise financeira, as empresas globais aumentaram “dramaticamente” o recurso a esta forma de financiamento, devido aos programas de compra de ativos dos bancos centrais, bem como incentivos regulatórios, de acordo com o relatório. A média das novas colocações atingiu, assim, os 1,7 biliões de dólares (quase 1,5 biliões de euros) por ano, o que compara com uma média anual de 864 mil milhões de dólares (760 mil milhões de euros) antes da crise.

Ainda assim, em 2018, a emissão global de obrigações empresariais diminuiu 41%, face ao ano anterior, atingindo o valor mais baixo desde 2008. Entre as várias regiões, os EUA mantiveram o lugar de maior mercado de dívida não financeira, com o Japão, o Reino Unido, França, Coreia e China a aumentarem o peso deste tipo de financiamento.

“Importa notar que a emissão líquida de obrigações em grau especulativo tornou-se negativa em 2018, indicando um reduzido apetite de risco entre os investidores. O único outro ano em que isto aconteceu foi há duas décadas, em 2008”, alerta, apontando para as cicatrizes da crise no rating das empresas: no caso da Europa, a média está três níveis abaixo de 2000. As revisões em baixa dos rating em países europeus como Grécia, Portugal, Espanha, Itália, Irlanda, Bélgica e França, durante a crise das dívidas soberanas também contribuiu para este declínio já que os ratings soberanos são determinantes significativos para os ratings das empresas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas têm 3,5 biliões em dívida para reembolsar até 2021. Alerta é da OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião