Família Sonae liderada ganhos num PSI-20 a verde

A bolsa de Lisboa fechou em alta, em linha com as principais pares europeias. Com António Mexia a ser ouvido no Parlamento, a exceção foi a EDP, que recuou 0,8%.

A bolsa de Lisboa fechou esta terça-feira em terreno positivo, em linha com as principais praças europeias. O PSI-20 avançou 0,21% para 5.163,89 pontos, com as empresas do grupo Sonae a liderarem os ganhos no índice. A contrariar a tendência esteve a EDP, cujo CEO se encontra no Parlamento para uma audição na Comissão Parlamentar de Inquérito às rendas energéticas.

António Mexia está, esta terça-feira, na Assembleia da República para responder aos deputados da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade. O presidente executivo da EDP, arguido no processo dos CMEC (custos de manutenção do equilíbrio contratual), está a explicar o papel da elétrica nas decisões que foram tomadas no setor energético, no âmbito da cessação antecipada dos anteriores contratos de aquisição de energia (CAE) e consequente transição para os CMEC.

Em bolsa, a elétrica perdeu 0,88% para 3,1720 euros por ação. A única outra empresa do PSI-20 a fechar no vermelho foi a NOS, que perdeu 0,56% para 5,31 euros por ação. A EDP Renováveis, que vai apresentar resultados esta quarta-feira antes da abertura do mercado, fechou inalterada com os títulos a cotarem nos 8,27 euros.

Investidores aplaudem lucro da Corticeira Amorim

A tendência no índice foi, no entanto, outra com a generalidade das cotadas a registarem ganhos. A liderar estiveram a Sonae, que valorizou 2,04% para 0,925 euros, e a Sonae Capital, que subiu 1,32% para 0,87 euros. Todo o setor do retalho beneficiou da notícia de que o Marks and Spencer estaria a negociar a criação de um serviço online de entregas em parceria com a Ocado. Entre os pesos-pesados, a concorrente Jerónimo Martins ganhou apenas 0,04% para 13,10 euros e o BCP avançou 0,21%.

A Galp valorizou 1,03%, num dia de subida para os preços do petróleo. O brent negociado em Londres valoriza 0,93% para 65,36 dólares por barril, enquanto o crude WTI negociado em Nova Iorque avança 0,50% para 55,76 dólares.

A Corticeira Amorim esteve esta terça-feira a reagir às contas apresentadas antes da abertura do mercado. A empresa liderada por António Rios de Amorim fechou o ano passado com lucros de 77,4 milhões de euros (mais 6% que no período homólogo) graças a um crescimento de quase dois dígitos nas receitas. Vai propor o pagamento de um dividendo de 18,5 cêntimos, o mesmo valor pago no ano passado, sendo que em dezembro entregou uma remuneração extraordinária. As ações ganharam 0,96% para 9,46 euros.

Corticeira Amorim sobe 1%

Brexit pressiona ações britânicas

“As bolsas europeias encerraram em alta, com os investidores a reagirem aos dados publicados nos EUA e aos desenvolvimentos relacionados com o Brexit”, explicaram os analistas do BPI, numa nota de fecho do mercado. Na Europa, o sentimento também foi positivo. O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 0,5%, enquanto o alemão DAX ganhou 0,4%, o francês CAC 40 ganhou 0,3%, o espanhol IBEX 35 valorizou 0,1% e o italiano FTSE MIB ganhou 0,11%.

“De facto, a Primeira-Ministra britânica admitiu pela primeira vez a possibilidade de adiar a saída do Reino Unido da União Europeia, dando aos deputados três opções: ou aprovam o acordo de saída já negociado com Bruxelas, ou o adiamento do Brexit ou uma saída desordenada da União Europeia”, sublinharam.

Neste cenário, o índice britânico FTSE 100 contrariou a tendência europeia e fechou a perder 0,4%, enquanto os juros da dívida britânica a 10 anos agravaram-se 3 pontos, para 1,20%. No mercado cambial, a libra esterlina registou fortes valorizações, de 1,20% contra a par norte-americana. Já o euro aprecia-se 0,12% para 1,1372 dólares.

(Notícia atualizada às 17h05)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Família Sonae liderada ganhos num PSI-20 a verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião