Entre os mais ricos do mundo há uma portuguesa. Fernanda Amorim subiu na lista

A viúva de Américo Amorim continua a ser a única entrada de Portugal na lista dos mais ricos da Forbes. A sua riqueza chega aos 4,8 mil milhões de dólares.

A lista dos mais ricos do mundo está a encolher, tanto em riqueza como em número. Tal como no ano passado, só há um português no ranking global. É Maria Fernanda Amorim, viúva de Américo Amorim, que até conquistou algumas posições, apesar de ter registado uma quebra na fortuna.

Maria Fernanda Amorim está na posição 379 da lista dos multimilionários da Forbes (acesso livre/conteúdo em inglês), quando no ano passado figurava no 382.º lugar do ranking.

Apesar da subida, a portuguesa, em conjunto com a sua família, apresenta uma fortuna de 4,8 mil milhões de dólares, um valor que compara negativamente com os 5,1 mil milhões do ranking do ano anterior.

O maior ativo da viúva do empresário português que liderava a Corticeira Amorim é uma participação de 18% na Galp Energia. A petrolífera, que tem atualmente como chairman a filha, Paula Amorim, contribuiu também para a fortuna de Isabel dos Santos que figura na posição 1.008 do ranking, com uma fortuna de 2,3 mil milhões. Perdeu 300 milhões num ano, caindo da posição 924.

É o segundo ano consecutivo em que Portugal conta apenas com um representante no ranking dos mais ricos. Nos anos anteriores, tinha três, juntando-se Alexandre Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo a Américo Amorim. Tanto Belmiro como Américo Amorim faleceram em 2017.

Fernanda Amorim é uma entre os multimilionários da Forbes. O número de pessoas a figurar nesta lista caiu para 2.153 em 2019, menos 55 do que no ano anterior. Quase metade daqueles que conseguiram um lugar no ranking, cerca de 46%, viram a sua fortuna diminuir.

Jeff Bezos continua a liderar a lista, depois de ter ultrapassado o fundador da Microsoft Bill Gates, com uma riqueza de 131 mil milhões de dólares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entre os mais ricos do mundo há uma portuguesa. Fernanda Amorim subiu na lista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião