Boeing afunda 13% após queda de avião na Etiópia

O dia é de ganhos nas principais bolsas norte-americanas, mas a Boeing está sob forte pressão, depois da queda de um avião na Etiópia. A empresa norte-americana já esteve a cair 13%.

As ações da Boeing caíram mais de 13% no arranque da sessão, um dia depois de um avião fabricado pela marca ter caído na Etiópia, matando todos os 157 passageiros e tripulação. A queda dos títulos eliminou quase 300 pontos do Dow Jones, num dia de ganhos para as principais empresas norte-americanas.

A China e a Indonésia anunciaram que vão proibir os voos com o modelo Boeing 737 Max 8, que protagonizou o acidente deste domingo e um outro acidente semelhante em outubro de 2018, que vitimou 189 pessoas. Entretanto, a empresa eliminou parte das perdas registadas na abertura e está a recuar 7,98%, para 388,81 dólares por ação.

A pressão da Boeing penalizou o Dow Jones: começou a sessão a cair quase 1%, mas o bom desempenho das restantes cotadas resgatou o índice do vermelho. O benchmark industrial segue agora inalterado, a cotar em 25.450,95 pontos.

O cenário é bem diferente nos restantes índices norte-americanos, que estão a acompanhar a tendência positiva registada nos mercados europeus e asiáticos. O índice de referência, S&P 500, avança quase 0,79%, enquanto o Nasdaq soma 1,13%.

No setor tecnológico, destaque para a Nvidia e a Mellanox. A fabricante de placas gráficas anunciou ter chegado a um acordo para comprar a fornecedora de redes, num negócio avaliado em sete mil milhões de dólares. Os títulos da Nvidia somam 0,2%, enquanto os da Mellanox disparam 8,7%.

Além disso, o sentimento é de otimismo face a declarações do presidente da Fed numa entrevista divulgada este domingo, na qual Jerome Powell disse que, atualmente, não vê motivos para mexer nos juros.

Ações da Boeing recuam

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boeing afunda 13% após queda de avião na Etiópia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião