Depois dos acidentes, Boeing apresenta alterações no 737 MAX

  • Lusa
  • 27 Março 2019

Multinacional norte-americana prometeu “fazer de tudo” para evitar acidentes de dimensões tão trágicas como os da Lion Air (Indonésia) e Ethiopian Airlines (Etiópia).

O fabricante de aviões norte-americano Boeing apresentou várias alterações no 737 MAX, de forma a restabelecer a confiança neste modelo após dois acidentes que fizeram um total de 346 mortos.

Na apresentação, que decorreu na fábrica da Boeing em Renton, no Estado de Washington (noroeste dos Estados Unidos), a multinacional norte-americana prometeu “fazer de tudo” para evitar acidentes de dimensões tão trágicas.

“Iremos fazer o nosso melhor para garantir que este tipo de acidente não volte a acontecer”, afirmou Mike Sinnett, chefe de desenvolvimento de novos produtos da divisão de aviação civil da Boeing, em declarações à imprensa.

As alterações apresentadas hoje pelo fabricante fornecem mais flexibilidade aos pilotos para contornarem o sistema de voo do Boeing 737 MAX, que foi colocado em causa nos dois acidentes registados com aparelhos das companhias Lion Air (Indonésia) e Ethiopian Airlines (Etiópia) em outubro e março, respetivamente.

No passado dia 10 de março, um Boeing 737-8 MAX, da Ethiopian Airlines, despenhou-se pouco depois de descolar de Adis Abeba, Etiópia. Nenhuma das 157 pessoas que estavam a bordo do avião sobreviveu.

Este acidente ocorreu cerca de cinco meses depois de um outro Boeing 737 MAX da companhia Lion Air ter caído na Indonésia cerca de 12 minutos após a descolagem e por causa de falhas técnicas, de acordo com os dados recolhidos de uma das caixas negras do aparelho.

O acidente ocorrido em outubro de 2018 provocou a morte de 189 pessoas.

A Boeing também anunciou que vai melhorar a formação relacionada com o sistema de voo deste modelo fornecida às tripulações.

A apresentação de hoje foi realizada um dia depois de um Boeing 737 MAX da companhia norte-americana Southwest sem passageiros a bordo, que estava em trânsito para a Califórnia, ter sido forçado a fazer uma aterragem de emergência em Orlando (Florida) devido a problemas técnicos.

A agência federal de aviação norte-americana (FAA, na sigla em inglês) precisou, na terça-feira, que o avião Boeing 737 MAX foi obrigado a realizar uma aterragem de emergência depois de ter sido detetado um problema de motor.

Nenhum passageiro se encontrava a bordo do aparelho, que ia ser entregue em Victorville, na Califórnia, para ficar estacionado e armazenado.

A FAA proibiu os voos com aparelhos Boeing 737 MAX após os dois acidentes trágicos da Lion Air e da Ethiopian Airlines.

A agência federal norte-americana permite, no entanto, que os aparelhos sejam transportados entre aeroportos para serem armazenados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois dos acidentes, Boeing apresenta alterações no 737 MAX

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião