Portugal Ventures investe 600 mil euros na Agri Marketplace

Plataforma que liga agricultores e produtores ao mercado global recebe o 4.º investimento do ano da gestora de capital de risco pública.

A plataforma Agri Marketplace, que liga diretamente agricultores e produtores ao mercado global, fechou uma ronda de investimento de 600 mil euros feita pela Portugal Ventures.

Este é o 4.º investimento do ano da gestora de capital de risco pública, depois das rondas anunciadas nas startups Shiptimize, Advertio e Logical Safety, no valor de meio milhão de euros cada uma. O financiamento é liderado pela Portugal Ventures mas conta ainda com a participação do fundo de investimento internacional Portinvest.

O investimento na Agri Marketplace é resultado da Call MVP, iniciativa lançada no último trimestre de 2018 e que recebeu 156 candidaturas de startups em early stage.

“Com este investimento a Agri Marketplace irá reforçar a sua presença nos mercados-alvo, através do reforço das suas equipas, a diferenciação da sua oferta, por via de uma clara aposta no contínuo desenvolvimento tecnológico da plataforma, criando novas funcionalidades que irão beneficiar os nossos clientes, atraindo novos mercados e utilizadores”, detalha Tiago Pessoa, CEO da Agri Marketplace. A plataforma de negociação está, neste momento, focada no desenvolvimento do negócio em Portugal, Espanha, França e Itália, disponibilizando já nestes mercados, cereais (milho, cevada, arroz e trigo) e frutos secos (amêndoa, pistachos, avelãs e nozes), variedades que representam um volume de transações superior a 50 biliões de euros no mercado europeu.

Em 2019, com o investimento da Portugal Ventures, a empresa quer reforçar a sua atividade de internacionalização e expansão na Europa e nos Estados Unidos, tendo como foco a Califórnia, adianta a gestora de capital de risco em comunicado.

Criada por quatro sócios — os agricultores Filipe Núncio e Tiago Pessoa, com mais de 20 anos de experiência no setor agrícola, e José Magalhães e Luís Silva, com experiência nas áreas da gestão, finanças e IT –, a startup de Alcácer do Sal instalou-se recentemente na incubadora Taguspark, parceira da Portugal Ventures na sua rede de Ignition Partners Network.

A plataforma torna mais simples vender e comprar produtos agrícolas através de ferramentas de vendas, marketing, serviços de logística e inspeção de qualidade, ligando diretamente agricultores e organizações de produtores aos seus clientes e evitando a intermediação na cadeia de valor. Ao suprimir custos de intermediação tradicional, a Agri Marketplace é uma alternativa para potenciar o negócio agrícola, tendo registado, até ao momento, mais de 5 milhões de euros de transações online.

Portugal Ventures lança nova call especializada

Com o investimento na plataforma, a Portugal Ventures anuncia ainda a criação da Call Agrotech Economy, cujo objetivo é investir 2,5 milhões de euros em “inovação, eficiência e produtividade dos setores da agricultura, pesca e pecuária”.

“O investimento na Agri Marketplace e na sua equipa de fundadores reforça a estratégia que a Portugal Ventures delineou para a captação de dealflow especializado”, justifica Rita Marques, CEO da Portugal Ventures.

A nova call deverá estar disponível no início de maio e tem como objetivo investir até um milhão em cada projeto de tecnologias — hardware e software — assim como em produtos inovadores “que melhorem a eficiência e a produtividade das atividades agrícolas, agropecuárias e da agro-indústria”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Ventures investe 600 mil euros na Agri Marketplace

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião