De programadores a diretores financeiros. Saiba quais são os seis profissionais mais procurados do momento

A par do crescimento da procura procura por parte das empresas portuguesas, a previsão da Robert Walters Portugal é que também os salários disparem ainda este ano.

Há profissões que se deparam, atualmente, com um excesso de profissionais, tendo em conta a reduzida procura no mercado. E depois há outras que se destacam pela crescente procura por parte das empresas portuguesas. É o caso dos programadores, head of digital, supervisores de organização, sistemas e métodos para energias renováveis, plant managers da indústria automóvel, diretores financeiros e key account managers. Estes são os profissionais mais requisitados neste momento em Portugal, de acordo com a consultora de recrutamento especializado Robert Walters Portugal.

A par do crescimento da procura, a previsão é que também os salários aumentem, ainda este ano, em todas estas funções. “Há um número crescente de oportunidades sem aumento equivalente de candidatos no mercado”, explica Paulo Ayres, manager da divisão de IT software development na Robert Walters.

“Os programadores são hoje alguns dos profissionais mais requisitados no mercado português. Estão presentes em quase todas as indústrias, desde empresas alimentares bastante tradicionais a consultoras de alta tecnologia”, afirma Paulo Ayres, acrescentando que, no mundo da programação existem várias linguagens e que as mais requisitadas no momento são Java, .Net, Python e Javascript.

Também o marketing digital e o marketing de conteúdo são áreas cada vez mais essenciais para o sucesso de qualquer empresa, sobretudo tendo em conta que “90% dos processos de compra têm início numa pesquisa na online”, explica a consultora de marketing digital na Robert Walters, Ana Monteiro. Os empregadores, por sua vez, procuram preferencialmente profissionais com experiência, “conhecimentos de e-commerce e publicidade online, domínio das ferramentas Google, conhecimentos de SEO e email marketing”, continua.

Já os key account managers começam a ganhar especial importância, com os empregadores a tomar consciência que estes profissionais são fundamentais para o desenvolvimento de negócio em qualquer empresa. De acordo com a Robert Walters, “são as primeiras linhas na atividade comercial, realizando a prospeção de novos clientes assim como a gestão e manutenção de parceiros para potenciar saudavelmente o negócio”.

Os diretores financeiros encontram-se, também, “com grande procura em Portugal, devido ao crescimento económico do país, que aumentou os níveis de contratação de profissionais de finanças”, explica Vasco Rodrigues, manager da divisão accounting & finance. O aumento da procura no setor das energias renováveis é, da mesma forma, explicado pelo contexto atual. “O setor das energias renováveis encontra-se em forte expansão em Portugal, envolvendo tanto empresas nacionais como internacionais”, refere François-Pierre Puech, senior manager na divisão de engenharia e operações na Robert Walters.

Também os atuais desafios que a indústria automóvel nacional enfrenta estão a levar os empregadores a dirigir as atenções para os profissionais capazes de melhorar a produtividades das fábricas, diminuindo custos e melhorando os indicadores de desempenho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De programadores a diretores financeiros. Saiba quais são os seis profissionais mais procurados do momento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião