Portugal devia “investir mais” em Saúde, Educação e Infraestruturas, avisa vice-presidente do FMI

  • ECO
  • 5 Abril 2019

Para o vice-presidente do FMI, David Lipton, os portugueses deviam aproveitar a recuperação económica para investirem mais em áreas críticas como a Saúde, Educação e Infraestruturas.

David Lipton, vice-presidente do FMI, considera que “Portugal devia reorientar gastos para investir mais” em áreas em que o investimento é mais necessário, como a Saúde, a Educação e as Infraestruturas, aproveitando este período de recuperação da grande crise económica e financeira.

“Os países estavam muito fracos, não tiveram outra escolha se não ajustar os seus défices orçamentais e baixar os gastos em muitas categorias”, reconheceu David Lipton, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago). Mas, agora, “ao longo da recuperação”, Portugal tem agora “a oportunidade para ser mais criterioso” no que toca ao investimento público. E deve “reforçar os gastos” nestas três áreas críticas.

Contudo, o vice-presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI) avisou que essa reorientação do investimento tem de ser feita “dentro das restrições de manter o excedente orçamental primário” que “Portugal já tem”.

Nova crise à porta? “Não sabemos”

O Jornal de Negócios recupera um discurso do vice-presidente do FMI em dezembro, no qual David Lipton afirmou já estar a pensar na próxima crise financeira. Numa altura em que existem sinais que apontam para um abrandamento da economia mundial, questionado sobre se uma nova crise está aí à porta, David Lipton disse que ninguém sabe “quando virá”.

“O nosso cenário base aponta para crescimento continuado, apesar de ter abrandado. Não sabemos se o próximo declínio será brando ou uma recessão. E pode ser suave ou mais severa”, explicou o economista, que garantiu não estar a “prever crises”, mas apenas a dizer que os países precisam “de estar prontos”.

"O nosso cenário base aponta para crescimento continuado, apesar de ter abrandado. Não sabemos se o próximo declínio será brando ou uma recessão.”

David Lipton

Vice-presidente do FMI

“Estou preocupado porque, comparando com há dez anos, a maior parte dos países não vai estar tão forte para lutar contra uma recessão, porque usou muito do espaço de políticas que tinha”, concluiu o vice-presidente do FMI.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal devia “investir mais” em Saúde, Educação e Infraestruturas, avisa vice-presidente do FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião