Wall Street em alta à espera dos resultados da Fed

As bolsas americanas iniciaram a negociação a valorizar, numa altura em que os investidores aguardam pela publicação das atas da última reunião da Reserva Federal dos Estados Unidos.

As bolsas norte-americanas resistiram ao pessimismo do Fundo Monetário Internacional (FMI) e, também, à ameaça de Donald Trump de impor tarifas sobre as importações europeias. A negociação começou em alta, com os investidores a aguardar a publicação das atas da última reunião da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed).

O S&P 500 está a valorizar 0,11% para 2.881,37 pontos, enquanto o industrial Dow Jones sobe 0,09% para 26.173,71 pontos e o tecnológico Nasdaq avança 0,17% para 7.922,73.

A justificar os ganhos está a esperança dos investidores norte-americanos nos dados divulgados esta quarta-feira pela Fed, que darão conta de mais sinais sobre o futuro da política monetária americana. Os investidores esperam que as conclusões do banco central dos Estados Unidos consigam “anular” o pessimismo do FMI e que contribuam para manter o ritmo positivo das negociações.

“Não estou à espera de nenhuma surpresa. Por enquanto, a situação da Fed está na melhor condição possível. É apenas uma questão de esperar pelos ganhos”, afirmou Andre Bakhos, da New Vines Capital LLC, citado pela agência Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Recorde-se que o FMI revelou que cortou as previsões para a economia mundial este ano. No World Economic Outlook, publicado esta terça-feira, o Fundo Monetário Internacional revelou que cortou as previsões para a economia mundial em três décimas, para 3,3% este ano. A deterioração das projeções confirma a expectativa criada na semana passada por Christine Lagarde, quando avisou que 70% do mundo está a abrandar.

Esta semana tem sido marcada, também, pelo novo foco de tensões comerciais. Esta semana, o Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) ameaçou impor tarifas sobre 11 mil milhões de dólares de importações europeias, em retaliação aos subsídios pagos à Airbus, a grande rival da norte-americana Boeing.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street em alta à espera dos resultados da Fed

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião