Peach Place, a app para recrutar em hotelaria

  • Ricardo Vieira
  • 11 Abril 2019

Foi sobretudo a pensar na dificuldade de recrutamento, agravada pelo aumento da criação do emprego no setor da restauração e hotelaria, que nasce esta plataforma.

A ideia nasceu da experiência de Agnes e Alexis Bourat, lusodescendentes e proprietários do Boubou’s, um restaurante na zona do Príncipe Real, em Lisboa.

“Quando estávamos próximos da abertura do restaurante e o tempo de contratação chegou, tivemos dificuldades em encontrar a equipa. Durante semanas pesquisámos muito, mas não encontrámos uma plataforma relevante em que pudéssemos chegar diretamente os profissionais da área de hospitalidade (…) percebemos que não existe uma comunidade de hospitalidade em termos de plataforma, onde as pessoas podem partilhar, procurar ou colocar anúncios, comunicar novas oportunidades de estágio ou, até mesmo, uma opção para conhecer outras pessoas da indústria”, conta Agnes.

"Quando estávamos próximos da abertura do restaurante e o tempo de contratação chegou, tivemos dificuldades em encontrar a equipa.”

Agnes Bourat

Cofundadora da Peach Place

Acabada de lançar, a Peach Place tem como objetivo conectar profissionais da hotelaria e facilitar a procura e oferta de emprego. Mas foi também pensada como ferramenta para estudantes e escolas terem acesso a estágios, sem esquecer a importância da criação de uma comunidade, onde haverá oferta de experiências.

A aplicação vai permitir o registo como empresa, que pode anunciar vagas e pesquisar profissionais, ou como funcionário, que pode pesquisar “entre as oportunidades de trabalho e ver o que as empresas procuram e oferecem, com um processo de candidatura fácil e rápido”, conta a cofundadora.

Foi sobretudo a pensar na dificuldade de recrutamento, agravada pelo aumento da criação do emprego no setor da restauração e hotelaria, que nasce o Peach Place, num país onde mais um milhão de pessoas trabalham nesta indústria. No entanto, os mentores da ideia têm como foco a criação de uma comunidade. E Agnes explica como vai funcionar na prática: “Imaginando que sou um rececionista de um restaurante, ou até mesmo professora numa universidade. Gostaria de levar os meus amigos a um bom lugar, ou experimentar um lugar novo que acabou de inaugurar. Para isso basta abrir a aplicação, ver quais lugares estão disponíveis e qual é a oferta da experiência disponível. Após a minha chegada, o host saberá que sou uma colega de profissão e partilhamos da mesma paixão e, provavelmente, dos mesmos problemas”.

O Peach Place arranca, para já, em Lisboa e no Porto na área da restauração. Até ao final do ano estará disponível em todo o país, altura em que a app já terá outras funcionalidades, como criar uma carteira de fornecedores e parceiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Peach Place, a app para recrutar em hotelaria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião