Peach Place, a app para recrutar em hotelaria

  • Ricardo Vieira
  • 11 Abril 2019

Foi sobretudo a pensar na dificuldade de recrutamento, agravada pelo aumento da criação do emprego no setor da restauração e hotelaria, que nasce esta plataforma.

A ideia nasceu da experiência de Agnes e Alexis Bourat, lusodescendentes e proprietários do Boubou’s, um restaurante na zona do Príncipe Real, em Lisboa.

“Quando estávamos próximos da abertura do restaurante e o tempo de contratação chegou, tivemos dificuldades em encontrar a equipa. Durante semanas pesquisámos muito, mas não encontrámos uma plataforma relevante em que pudéssemos chegar diretamente os profissionais da área de hospitalidade (…) percebemos que não existe uma comunidade de hospitalidade em termos de plataforma, onde as pessoas podem partilhar, procurar ou colocar anúncios, comunicar novas oportunidades de estágio ou, até mesmo, uma opção para conhecer outras pessoas da indústria”, conta Agnes.

"Quando estávamos próximos da abertura do restaurante e o tempo de contratação chegou, tivemos dificuldades em encontrar a equipa.”

Agnes Bourat

Cofundadora da Peach Place

Acabada de lançar, a Peach Place tem como objetivo conectar profissionais da hotelaria e facilitar a procura e oferta de emprego. Mas foi também pensada como ferramenta para estudantes e escolas terem acesso a estágios, sem esquecer a importância da criação de uma comunidade, onde haverá oferta de experiências.

A aplicação vai permitir o registo como empresa, que pode anunciar vagas e pesquisar profissionais, ou como funcionário, que pode pesquisar “entre as oportunidades de trabalho e ver o que as empresas procuram e oferecem, com um processo de candidatura fácil e rápido”, conta a cofundadora.

Foi sobretudo a pensar na dificuldade de recrutamento, agravada pelo aumento da criação do emprego no setor da restauração e hotelaria, que nasce o Peach Place, num país onde mais um milhão de pessoas trabalham nesta indústria. No entanto, os mentores da ideia têm como foco a criação de uma comunidade. E Agnes explica como vai funcionar na prática: “Imaginando que sou um rececionista de um restaurante, ou até mesmo professora numa universidade. Gostaria de levar os meus amigos a um bom lugar, ou experimentar um lugar novo que acabou de inaugurar. Para isso basta abrir a aplicação, ver quais lugares estão disponíveis e qual é a oferta da experiência disponível. Após a minha chegada, o host saberá que sou uma colega de profissão e partilhamos da mesma paixão e, provavelmente, dos mesmos problemas”.

O Peach Place arranca, para já, em Lisboa e no Porto na área da restauração. Até ao final do ano estará disponível em todo o país, altura em que a app já terá outras funcionalidades, como criar uma carteira de fornecedores e parceiros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Peach Place, a app para recrutar em hotelaria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião