PS assume que objetivo nas europeias é “ganhar as eleições de forma clara”

  • Lusa
  • 15 Abril 2019

Pedro Marques, cabeça de lista do PS às eleições europeias, nota que este é "um ano eleitoral decisivo" e defende que o partido "merece confiança".

O cabeça de lista do PS às eleições europeias, Pedro Marques, assumiu esta segunda-feira que o objetivo do seu partido é “ganhar as eleições” e “de forma clara”, salientando que os socialistas estão empenhados em “defender Portugal na Europa”.

“A nossa fasquia é ganhar as eleições, ganhar de forma clara, ganhar as eleições e, pela segunda vez na história do Partido Socialista no período democrático, ganhar as eleições europeias estando no Governo“, disse Pedro Marques aos jornalistas.

Falando à comunicação social depois de entregar a lista às eleições de 26 de maio no Tribunal Constitucional, em Lisboa, o dirigente do PS recordou que “Mário Soares conseguiu” e vincou que os candidatos deste ano vão “lutar muito para dar ao Partido Socialista também uma grande vitória nestas eleições europeias”.

O antigo ministro das Infraestruturas salientou que a lista socialista é composta por uma “equipa renovada, uma equipa com muitas mulheres, uma lista paritária, com gente jovem, uma lista com abertura à sociedade civil”.

“Aqui estamos, com força renovada, para fazer na Europa aquilo que fizemos bem aqui em Portugal”, vincou, notando que os candidatos estão “empenhados”, são “gente que faz” e que “vai defender Portugal na Europa”. “É com esse compromisso que nos apresentamos a estas eleições”, declarou.

Pedro Marques apontou também que “os portugueses têm todas as razões” para dar “um voto de confiança” ao PS nestas eleições. Apontando que “este é certamente um ano eleitoral decisivo”, o socialista defendeu que o seu partido “merece confiança” também nas eleições legislativas.

Considerando que o processo eleitoral tem “algumas curiosidades”, Pedro Marques deixou uma pergunta a Rui Rio. “Como é que ele compatibiliza o banho de ética que diz ter trazido para a política, com a repetição de um candidato às eleições que fez muito pouco por Portugal no Parlamento Europeu, faltou muito no Parlamento Europeu” e, “ao mesmo tempo trabalhou tanto como advogado no setor privado”, quis saber o candidato socialista.

Na ótica do socialista, “alguém que escolhe repetir um cabeça de lista, ainda por cima um cabeça de lista derrotado”, tem de “prestar contas sobre o trabalho que fez”. “Da mesma maneira que o nosso trabalho é avaliado e nós, talvez pela primeira vez desde que há este tipo de eleições, desde que há eleições europeias, não nos importamos nada que avaliem o trabalho do Governo neste contexto”, assinalou.

Questionado sobre as críticas de que tem sido alvo por parte da direita, o antigo governante referiu que, “em processos eleitorais”, é “completamente legítimo que se avalie o trabalho de uns e o trabalho dos outros, as candidaturas de uns e as candidaturas dos outros”.

“Foram usadas muitas falsidades para tentar denegrir o meu trabalho enquanto membro do Governo, elas já foram por nós demonstradas. O PSD já parou de dizer coisas como dizia relativamente à execução dos fundos comunitários, porque nós já denunciámos essas falsidades e já demonstrámos essas falsidades”, advogou o candidato.

Pedro Marques defendeu também que “os portugueses devem avaliar quem faz campanha com base em falsidades, mas devem de facto avaliar o trabalho daqueles que estiveram no Parlamento Europeu e não fizeram nada relevante por Portugal”.

Também presente na ocasião, a secretária-geral-adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, referiu que “a desvalorização que muitas vezes se dá” às instituições europeias é “um problema” e pediu aos eleitores uma “forte participação” em 26 de maio. “Também na Europa, como em Portugal, é possível um caminho alternativo”, salientou.

Questionada se os casos de familiares no Governo podem afetar o resultado do PS, Ana Catarina Mendes considerou que “para as famílias portuguesas o que verdadeiramente interessa é se têm mais emprego, é se as pensões aumentam, é se aumentaram os rendimentos disponíveis, é se o passe único é, ou não, uma melhoria para as suas vidas”.

“É nisso que o Partido Socialista está empenhado, numa agenda política não de casos de casos de quem não tem agenda política”, rematou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS assume que objetivo nas europeias é “ganhar as eleições de forma clara”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião