Lyft processada. Investidores dizem que foram enganados no IPO

Ação judicial é conhecida no dia da estreia do Pinterest em Wall Street e a poucas semanas da Uber dar o mesmo passo.

A Lyft está a ser processada por investidores que entraram na oferta pública inicial (IPO). Acusam a tecnológica detentora de uma plataforma de transporte de passageiros de ter exagerado na posição de mercado quando entrou na bolsa de Nova Iorque no mês passado.

Duas ações judiciais diferentes deram entrada no tribunal do estado norte-americano de São Francisco contra a Lyft e responsáveis da empresa, segundo noticia a agência Bloomberg (acesso livre e em inglês). Os investidores acusam a tecnológica de ter mentido quando escreveu no prospeto que tinha 39% de quota de mercado nos EUA e de ter omitido que iria retirar mais de mil bicicletas de circulação.

Desde o IPO, a Lyft tombou 17% para 59,51 dólares por ação, o que compara com os 72 dólares a que foram vendidas ações na oferta. O sell-off de títulos da tecnológica aprofundou-se na semana passada, quando a concorrente Uber entregou o registo do IPO junto do regulador dos mercados norte-americano.

A entrada em bolsa da Uber está prevista para o início de maio, após a venda de cerca de dez mil milhões de dólares (8,9 mil milhões de euros) em ações, com uma avaliação que oscila entre 90 e 100 mil milhões de dólares.

A operação irá permitir aos investidores terem uma primeira visão global das contas da empresa que em 2018 anunciou receitas de 11,27 mil milhões de dólares e um EBITDA negativo de 1,85 mil milhões de dólares. Esta vai ser a maior operação de dispersão de capital em bolsa do ano em Wall Street e uma das maiores de sempre.

As notícias do processo contra a Lyft poderão, no entanto, ser desfavoráveis tanto para a Uber como a Pinterest, que também prepara a entrada em bolsa. O IPO da rede social de partilha de imagens avaliou, esta quarta-feira, a empresa em 12,7 mil milhões de dólares (11,3 mil milhões de euros), acima das expectativas dos analistas.

A Pinterest levantou 1,4 mil milhões de dólares na venda de ações, a um preço de 19 dólares cada. A estreia em Wall Street está marcada para esta quinta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lyft processada. Investidores dizem que foram enganados no IPO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião