Revisores e trabalhadores das bilheteiras da CP convocam greve para 20 e 21 de maio

  • Lusa
  • 29 Abril 2019

Os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP entregaram um pré-aviso de greve para os dias 20 e 21 de maio.

Os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP entregaram um pré-aviso de greve para os dias 20 e 21 de maio, revelou hoje à Lusa o presidente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI).

Luís Bravo adianta que a paralisação nacional foi convocada para protestar contra o “incumprimento de dois acordos que o Governo fez com este sindicato, o primeiro em setembro de 2017 que visava recrutar 88 trabalhadores para a área comercial e que ainda não está concretizado”.

A outra promessa que o SFRCI diz ter falhado é “a negociação do acordo coletivo de trabalho, que tem 20 anos, e que deveria ter sido finalizado até 30 de setembro. Só amanhã [terça-feira] é que vai ter a primeira a reunião de negociação”, lamenta o dirigente sindical.

Luís Bravo diz que o sindicato está disponível para negociar e lembrou que “tudo fez e permitiu até que o novo ministro das Infraestruturas e Habitação [Pedro Nuno Santos] e o secretário de Estado tivessem tempo para tomarem conhecimento dos dossiers e dos acordos que estavam em incumprimento”.

No entanto, considera a estrutura sindical, “não se tendo verificado nenhuns desenvolvimentos decidimos agora avançar com o pré-aviso de greve. Não se compreende que não se honrem os compromissos por escrito feitos pelo anterior ministro das Infraestruturas [Pedro Marques]”.

Luís Bravo diz ainda que o sindicato não aceita que as culpas sejam colocadas no ministro das Finanças, porque o sindicato entende “que o Governo é um todo e é tempo de os acordos serem executados”.

De acordo com o dirigente, tudo foi feito “para evitar a greve e os constrangimentos aos utentes. Em setembro de 2017 foi acordado um recrutamento mínimo, dos 88 trabalhadores, e a CP precisa de muito mais, de perto de 200, e, no entanto, nem sequer esses 88 são desbloqueados”, lamentou Luís Bravo.

O presidente do SFRCI alerta ainda para o facto de haver “locais em que os trabalhadores laboram continuamente nas suas folgas, já excederam o limite máximo de horas por ano e o Governo não atua nem permite que haja recrutamento. Está a ser posta em causa a segurança da circulação por falta de revisores e a sustentabilidade da CP, por falta de cobrança e bilheteiras que vão encerrando”, acusa.

A greve abrange perto de mil trabalhadores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revisores e trabalhadores das bilheteiras da CP convocam greve para 20 e 21 de maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião