Lucro antes de impostos da Altice Portugal caiu 1,4% no primeiro trimestre. Receitas estabilizam

O lucro antes de impostos da Altice Portugal caiu 1,4% no primeiro trimestre em termos homólogos. Mas as receitas estabilizaram e registaram uma subida marginal.

A Altice Portugal reportou que o lucro antes de impostos caiu 1,4% no primeiro trimestre, para 206 milhões de euros, comparativamente com o mesmo período do ano passado. Ainda assim, os resultados divulgados esta quinta-feira evidenciam uma estabilização das contas da operadora. Apesar da queda do EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), a dona da Meo obteve receitas de 509 milhões de euros no primeiro trimestre, uma subida marginal de 0,4% face ao trimestre homólogo.

Os serviços prestados às empresas impulsionaram ligeiramente as receitas da Altice Portugal, com a empresa a registar um crescimento de 1,2% das receitas com este negócio. No entanto, as receitas com o segmento de consumo caíram 0,2% em termos homólogos, devido às “medidas regulatórias desfavoráveis, como é o caso do decréscimo das tarifas de terminação”, justifica a dona da Meo num comunicado.

“A evolução homóloga da receita do Segmento Consumo encontra-se praticamente estabilizada, com -0,2% sobretudo pelo contínuo crescimento da Base de Clientes Únicos nos últimos seis trimestres, traduzindo-se em 26 mil clientes nos últimos 12 meses e 36 mil nos últimos 18 meses”, refere a companhia liderada por Alexandre Fonseca.

Um desempenho que assenta na “estratégia de construção de fibra ótica”. Neste período, a Meo registou 41 mil adições líquidas à base de clientes de fibra e, no total, são já 4,59 milhões de casas passadas. Além disso registou “14 mil adesões líquidas no Parque de Serviços TV” e de 33 mil no negócio mobile, onde a empresa já conta com “quase três milhões” de clientes.

Para expandir a infraestrutura, concretamente a rede de 4G, a empresa liderada por Alexandre Fonseca investiu 100 milhões de euros no trimestre, menos cinco milhões de euros do que no mesmo período do ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro antes de impostos da Altice Portugal caiu 1,4% no primeiro trimestre. Receitas estabilizam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião