Nos lucra 42,5 milhões de euros no trimestre. Receitas estabilizam

A Nos aumentou o lucro trimestral em 21,5%, para 42,5 milhões de euros. Quebra no negócio do cinema levou à estabilização das receitas da empresa.

A Nos fechou o primeiro trimestre com lucros de 42,5 milhões de euros, um crescimento de 21,5% face ao mesmo período de 2018. O resultado foi alcançado num contexto de estabilização das receitas e de melhoria do cash flow operacional da companhia.

Neste período, o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) subiu 2,1%, para 160,7 milhões de euros. O crescimento deste indicador foi, sobretudo, sustentado pelo aumento do EBITDA do negócio das telecomunicações da Nos.

A empresa destaca o resultado positivo “apesar do contexto bastante desafiante”, sobretudo para o negócio do cinema. “As receitas no negócio de audiovisuais e cinema registaram uma quebra de 5% para 25,8 milhões de euros, motivada essencialmente pela redução de blockbusters durante o período em análise”, justifica a Nos, em comunicado.

Ainda assim, as receitas de exploração estabilizaram em 385,3 milhões de euros, uma subida marginal de 0,6% face ao primeiro trimestre do ano passado. “As receitas no negócio de telecomunicações registaram um aumento de 1,1%, para 369,8 milhões de euros face ao exercício anterior, permitindo compensar a quebra verificada neste primeiro trimestre no negócio de audiovisuais e cinema”, explica a companhia.

Neste período, o número de serviços prestados pela Nos subiu em 116 mil, para 9.556 milhões de serviços. Foram registadas adições de clientes em todos os segmentos, desde o mobile à TV por subscrição. Este último segmento e a banda larga foram os que renderam mais clientes novos à empresa liderada por Miguel Almeida, ofuscando a quebra na venda de bilhetes de cinema.

A dívida líquida da operadora desceu para 1.003 milhões de euros, uma queda de 1,4% face ao final de março de 2018. Representa um rácio de dívida face ao EBITDA de 1,8 vezes.

Evolução das ações da Nos em Lisboa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos lucra 42,5 milhões de euros no trimestre. Receitas estabilizam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião