Altice Portugal está “a entrar numa fase de saúde e recuperação”

O administrador financeiro da Altice Portugal considera "evidente" que a dona da Meo está "a entrar numa fase de recuperação". Receitas da empresa estabilizaram.

O administrador financeiro da Altice Portugal considera “evidente” que a empresa está “a entrar numa fase de saúde e de recuperação”. Concretamente, Alexandre Matos referia-se à melhoria de 1,3% do cash flow da empresa no primeiro trimestre, em termos homólogos, que considerou ser o “indicador que os acionistas mais olham”.

Num encontro com jornalistas esta sexta-feira, na sede da empresa, o administrador financeiro leu os resultados divulgados no dia anterior e recordou que “a empresa vinha numa senda de queda de receita” há vários trimestres, estando agora “a viver um momento de inversão”.

A Altice Portugal obteve uma receita total de 509 milhões de euros no primeiro trimestre, uma subida ligeira, de 0,4%, face ao mesmo período do ano passado. Já o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado recuou 1,4% em termos homólogos, para 206 milhões de euros, uma evolução justificada com “investimento em marketing” e outros custos.

No mesmo encontro, a empresa revelou que cada cliente fixo, no segmento de consumo, gera uma receita mensal de 32 euros. Este indicador, chamado de ARPU (average revenue per user), tem vindo a cair há vários anos, mas apresenta uma tendência de evolução positiva à medida que a empresa vai convertendo clientes de ADSL e satélite em clientes de fibra. A estratégia é aumentar a receita média por utilizador não com um aumento direto dos preços, mas com uma subida do valor prestado ao cliente.

Em Portugal, um cliente de fibra tem mais serviços à sua disposição. Neste sentido, acaba por ser “um cliente com um grau de lealdade maior”, explicou Alexandre Matos. A empresa tem cerca de 1,1 milhões de clientes de fibra e quase 4,59 milhões de casas passadas. “Para nós, é prioritário fazer migrações com a tecnologia fibra”, assumiu o gestor.

Apesar da intenção, não foi o segmento de consumo a beneficiar as contas da Altice Portugal, até porque as receitas praticamente estabilizaram, caindo apenas 0,2%, mas crescendo o número de clientes únicos. Foi, sim, o segmento empresarial, cujas receitas subiram 1,2%, impulsionadas por “novas linhas de receita”, como as “soluções de integração de sistemas” e os “serviços de IoT”, por exemplo.

É evidente que estamos a entrar numa fase de saúde e de recuperação.

Alexandre Matos

Administrador financeiro da Altice Portugal

Venda da fibra decidida em breve

A Altice Portugal vai divulgar a decisão do processo de venda da rede de fibra ótica ainda neste semestre. A garantia foi reiterada por Alexandre Matos, que lembrou que ainda existe “uma quantidade razoável de propostas em discussão e análise”. No entanto, essa fase “não é feita aqui”, mas sim pela sede da Altice Europe ATC 0,87% , em França.

Questionado pelo ECO sobre se existem investidores portugueses envolvidos no negócio, o gestor disse não ter conhecimento de propostas portuguesas e que as existentes foram apresentadas por “consórcios internacionais”.

Para além do comprador, falta saber em que modelo é que o negócio se vai concretizar. A empresa já alocou o ativo a uma nova subsidiária e poderá vender a totalidade do capital, manter uma posição maioritária ou até manter uma posição minoritária. De qualquer das formas, Alexandre Matos indicou que nada está decidido.

Evolução das ações da Altice em Amesterdão

Comentários ({{ total }})

Altice Portugal está “a entrar numa fase de saúde e recuperação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião