Plano de pagamentos da Nowo à Altice “está a ser cumprido”

O grupo Nowo está a respeitar o plano de pagamentos fechado com a Altice Portugal em novembro. Acordo evitou pedido de insolvência da empresa no final do ano passado.

O grupo Oni/Nowo está a respeitar o plano de pagamentos fechado com a dona da Meo para regularizar a dívida que tinha perante a empresa. A informação foi avançada pelo administrador financeiro da Altice Portugal, Alexandre Matos, numa altura em que a Nowo já terá sido alvo de uma injeção de capital por parte do fundo KKR.

“Está a ser cumprido”, garantiu o administrador da Altice Portugal, quando questionado sobre o desfecho do processo, que envolveu o pedido de insolvência da Oni interposto pela dona da Meo em setembro — e, entretanto, retirado.

Em novembro, a Oni fechou com a Altice Portugal um plano de pagamentos do montante que rondaria os oito milhões de euros. Mais de metade do valor já terá sido pago, uma vez que essa era uma das condições do acordo (a outra era a extinção do pedido de insolvência, condição que se verificou ainda em 2018). É esse plano que, agora, a dona da Meo confirma que está a ser cumprido, referindo-se ao valor remanescente.

Sem falar em valores, Alexandre Matos disse apenas tratar-se de uma “conta a receber razoavelmente alta” para justificar as medidas tomadas no final do ano passado. “Resolveu-se”, comentou, num encontro com jornalistas que decorreu esta sexta-feira, na sede da empresa, em Lisboa.

A Oni e a Nowo (antiga Cabovisão), agrupados na Cabolink, foram ativos vendidos pela Altice aos franceses da Apax em 2015, condição essencial para que as autoridades portuguesas autorizassem a compra da PT Portugal, agora Meo. No entanto, a Oni/Nowo estará agora sob o controlo do fundo KKR, em virtude de dívidas da Apax, avançou o Público (acesso pago) em dezembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plano de pagamentos da Nowo à Altice “está a ser cumprido”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião