Fala muito para o estrangeiro? Chamadas e SMS ficam mais baratos na UE

Os preços das chamadas e mensagens na UE têm um novo limite. Eis o que tem de saber sobre as novas regras que entraram em vigor esta quarta-feira.

Os preços das chamadas e dos SMS na União Europeia estão agora sujeitos a novos limites. Bruxelas promete poupanças aos cidadãos que tenham por hábito comunicar por telefone com outros cidadãos europeus em países estrangeiros.Pixabay

As mensagens de texto (SMS) e as chamadas internacionais na União Europeia (UE) vão ficar mais acessíveis a partir desta quarta-feira. As novas regras definem que os preços passam a estar limitados a 19 cêntimos por minuto no caso das chamadas fixas ou móveis e a seis cêntimos no caso das SMS. A estes valores acresce o IVA.

Esta medida surge depois da implementação de outro regulamento que pôs fim às taxas de roaming na UE. Conhecido por roam like at home, o regulamento entrou em vigor a 15 de junho de 2017 e possibilitou aos cidadãos europeus em viagem comunicarem aos mesmos preços praticados no país de origem, ainda que com alguns limites.

Por isso, as novas regras vêm complementar o fim do roaming e permitir aos cidadãos de um determinado país da UE comunicarem com cidadãos de outros países do bloco a preços mais baixos. Ou seja, desta vez, o alvo são as chamadas telefónicas e as SMS originadas a partir do país em que o cliente vive e com destino num número sediado noutro país.

Num comunicado, a Comissão Europeia promete que as novas regras permitem pagar “quatro vezes menos” por algumas chamadas “do que antes”.

Por exemplo: “A Maria vive em Itália e a sua filha trabalha na Bélgica. Normalmente, ela telefona à sua filha e as chamadas demoram cerca de duas horas por mês. As chamadas a partir de linhas fixas e com um plano nacional italiano custariam 89 cêntimos por minuto, o que significa que a Maria gastaria mensalmente cerca de 105 euros para telefonar à sua filha.”

A conclusão? “Com as novas regras, pagaria um máximo de 23 cêntimos (incluindo IVA) por minuto, ou seja, um máximo de 27 euros para chamadas com a mesma duração”, aponta a Comissão Europeia. Contas feitas, a poupança é de 78 euros por mês.

Há exceções à regra?

Sim, há. Uma das exceções são “os consumidores que tiverem um pacote que inclua um volume fixo de chamadas e/ou mensagens SMS internacionais na UE por um determinado preço”. Neste caso, “o limite máximo de preços não é aplicável”, indica Bruxelas.

Esta exceção, por si só, exclui muitos portugueses desta medida, uma vez que os tarifários com volumes fixos de minutos de chamadas e de SMS são populares no país. Ainda assim, a Comissão Europeia recomenda aos clientes que façam as contas.

“Se os consumidores considerarem que o seu pacote já não oferece a melhor relação qualidade-preço após a entrada em vigor deste limite de preços, podem sempre mudar para uma tarifa por minuto para chamadas e mensagens SMS intra-UE”, explica o comunicado.

Outra exceção são os clientes empresariais. As novas regras só se aplicam a clientes particulares. “Os clientes empresariais estão excluídos do presente regulamento relativo aos preços, uma vez que vários fornecedores têm ofertas especiais particularmente atrativas para estes clientes”, justifica a Comissão Europeia.

Estas novas regras não estão sujeitas a políticas de utilização responsável, ou seja, os novos limites aos preços são fixos e estão fechados, variando apenas na taxa de IVA aplicável em cada país. As operadoras terão agora de notificar os clientes das novas tarifas, o que pode acontecer via email ou SMS.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fala muito para o estrangeiro? Chamadas e SMS ficam mais baratos na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião