Portugueses são os pagam mais pela luz. Ministro do Ambiente diz que “preço da eletricidade é uma preocupação do Governo”

  • Lusa
  • 22 Maio 2019

Questionado sobre os resultados do Eurostat, Matos Fernandes afirmou que o Governo está a percorrer um caminho de redução do preço da eletricidade, que fará "esbater" a diferença com os outros países.

O ministro do Ambiente disse esta quarta-feira que “o preço da eletricidade é uma preocupação do Governo”, em resposta ao estudo do Eurostat que revelou que os portugueses foram os europeus com a eletricidade mais cara no segundo semestre de 2018.

Tendo em conta o poder de compra de cada país, os portugueses foram os que mais pagaram pela eletricidade, sendo que mais de metade do valor da fatura dizia respeito a impostos e taxas (55%), segundo o relatório do gabinete de estatísticas da União Europeia.

Questionado pelos jornalistas, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, lembrou que, entretanto, houve mudanças, como a baixa do preço da eletricidade em 3,5% e a redução do IVA. A redução do IVA de 23% para 6% chegou a cerca de dois milhões de contratos, um terço dos consumidores, segundo uma explicação recente do ministro. No entanto, esta redução anunciada em abril aplica-se apenas a uma componente do termo fixo e não à totalidade da fatura.

“O preço da eletricidade é uma preocupação do Governo”, garantiu o ministro em declarações aos jornalistas à saída da Conferência “A Educação e os Desafios do Futuro: Ambiente e Desenvolvimento Sustentável”, que está a decorrer na sede do Conselho Nacional de Educação (CNE), em Lisboa.

Matos Fernandes sublinhou o caminho que está a ser traçado na redução do preço da eletricidade que fará com que a diferença com os outros países “tenderá a esbater-se”.

O valor que os portugueses pagam pela eletricidade aumentou menos do que na média europeia no segundo semestre do ano passado, mas os portugueses continuam a ser os europeus com os preços mais elevados, quando ajustados pelo poder de compra. O aumento em Portugal foi de 2,8%, enquanto o aumento médio da União Europeia foi de 3,5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses são os pagam mais pela luz. Ministro do Ambiente diz que “preço da eletricidade é uma preocupação do Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião