Lisboa está a perder mais pessoas que as grandes capitais europeias. A culpa é dos preços das casas, alerta Moody’s

O aumento do preço das casas está a levar as pessoas a saírem da capital. O turismo também contribui para este cenário e Lisboa é a capital com o maior rácio de casas convertidas em Airbnb.

As casas estão cada vez mais caras e, nas principais cidades europeias, o acesso à habitação está a tornar-se cada vez mais difícil. A análise é da Moody’s, mas só vem comprovar o que há muito tem vindo a ser dito: o aumento do preço das casas, e a conversão de casas para alojamento local, está a deixar sem alternativas aqueles que querem viver em Lisboa, obrigando a alargar o raio de busca para fora da capital. A acentuar ainda mais esta tendência está o turismo.

O ritmo de crescimento dos preços da habitação em algumas das principais cidades europeias tem superado as médias nacionais entre 2012 e 2018, diz a agência de notação financeira. E apesar da valorização dos preços e da diminuição dos rendimentos das famílias, a população da maioria dessas cidades tem vindo a crescer desde 2000, chegando mesmo “na maioria das principais cidades [a superar] a expansão nacional”.

Mas, no caso de Lisboa, o cenário é inverso. De acordo com a Moody’s, a capital portuguesa é a principal cidade europeia com a maior queda da população: 7% desde 2011 e “a migração para a periferia aconteceu à custa das áreas metropolitanas”.

Os dados mostram que os rendimentos das famílias não estão a acompanhar a evolução dos preços do imobiliário, levando as pessoas a adiar, ou até mesmo pôr de lado, a hipótese de ter uma habitação própria. “Os potenciais compradores de uma primeira habitação estão a adiar ou a abandonar os planos para comprar casa numa grande cidade, levando a uma maior procura por imóveis para arrendamento em áreas urbanas ou compra de casa em cidades periféricas”.

E esta é uma tendência que deverá manter-se porque, face a este cenário, as pessoas acabam por arrendar uma casa ao invés de a comprar. “A forte prosperidade económica e a procura por arrendamento nas cidades diminuíram o risco de desvalorização do preço das casas”, refere a Moody’s.

Pouca construção, turistas e Airbnb acentuam tendência

Mas, tal como já tem sido falado, a Moody’s também alerta para um fator importante para estes fluxos entre Lisboa e as periferias: a pouca construção e o turismo. “A construção de casas novas nas principais cidades europeias continua relativamente baixa, suportando os preços dos imóveis e travando um aumento da oferta”, diz a agência de notação financeira. As casas novas representam apenas “uma pequena parte” das vendas de imóveis residenciais nas zonas urbanas e a Moody’s dá mesmo o exemplo de Madrid, onde as casas usadas representam 80% das vendas.

Somado a isso vem o interesse e, consequente, investimento internacional. “O investimento estrangeiro também exercerá uma pressão ascendente sobre os preços da habitação. Vistos gold e outros incentivos em Espanha e em Portugal estão a atrair mais compradores estrangeiros. A agência faz referência aos investidores asiáticos, cujos investimentos estão a aumentar nas principais cidades, especialmente em Londres e Madrid.

Mas aqueles que não querem cá ficar e estão só de passagem também pesam na procura de casa. Os preços das casas estão a subir também em parte devido à procura de casas para arrendar por turistas. “A procura de arrendamento por turistas nas áreas urbanas está a impulsionar o mercado imobiliário. Entre as principais cidades estão Lisboa, Paris e Amesterdão, com as maiores parcelas de casas usadas pelo Airbnb”.

E aqui Lisboa ocupa mesmo uma posição de topo. De acordo com os dados da Moody’s, a capital portuguesa é a principal cidade europeia com o maior rácio de casas convertidas em alojamentos para a plataforma do Airbnb. São cerca de 33 imóveis por cada 1.000 habitantes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa está a perder mais pessoas que as grandes capitais europeias. A culpa é dos preços das casas, alerta Moody’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião