O Futuro da Moda

As mega tendências e a moda na era digital serão temas abordados por futuristas, empresários e especialistas na conferência da APICCAPS, dia 29 de maio, no Porto de Leixões.

Há uma nova geração de consumidores, há temas urgentes em agenda como a sustentabilidade e há alterações profundas na experiência do retalho. A moda entrou na Era digital e toda a indústria está em transformação.

É sobre tendências, futuro e estratégias que podem inspirar marcas e empresários, a conferência organizada pela APICCAPS e que acontece esta quarta-feira, no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões.

“Entendemos que esta reflexão conjunta permitir-nos-á encontrar as respostas adequadas para os desafios com que todos nos confrontamos. Temas como ‘os consumidores do futuro’, ‘o novo retalho’, ‘a sustentabilidade’, ‘a moda na era digital’ serão aprofundados neste evento” diz Luís Onofre.

“Faz por esta altura 40 anos que a APICCAPS apresentou o seu primeiro documento estratégico. Sempre entendemos ser fundamental, para o desenvolvimento competitivo da indústria, anteciparmos eventos futuros”, acrescentou o presidente da APICCAPS sobre a conferência “O Futuro da Moda”.

“Consideramos que o exercício de auscultar o mercado, ouvir as empresas, contactar com especialistas internacionais nas mais diversas áreas é uma boa prática. Acresce que temos connosco parceiros que consideramos de maior importância, como o setor das joalharia e o setor do vestuário”, remata.

Consulte aqui o programa do evento.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O Futuro da Moda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião