Tabelas de IVA de Gaspar ajudam a explicar surpresa nas receitas de Centeno, diz Conselho das Finanças Públicas

Centeno tem contado com receitas inesperadas para baixar o défice. Uma das surpresas vem das receitas fiscais que estão a crescer mais do que o consumo. O CFP ajuda a desvendar o mistério.

Há três anos seguidos que Mário Centeno conta com receitas fiscais inesperadas que são uma ajuda preciosa na altura de baixar o défice. Este fenómeno tem intrigado economistas e especialistas em finanças públicas. Mas o mistério pode estar a caminho de ser resolvido. O Conselho das Finanças Públicas (CFP) estudou o assunto e concluiu que a alteração às tabelas de IVA feita em 2012 por Vítor Gaspar e o aumento do peso do turismo podem estar a beneficiar as receitas fiscais.

Em 2018, dois terços da redução do défice estrutural resultou da diminuição do encargos com juros e o restante um terço é justificado pelo “efeito positivo de receitas inesperadas (revenue windfalls), à semelhança dos dois anos anteriores”, diz a instituição liderada por Nazaré Cabral no relatório sobre a Evolução Orçamental das Administrações Públicas em 2018.

Por receitas inesperadas, o CFP entende o aumento dos dividendos do Banco de Portugal e “os ganhos de receita fiscal que resultam da evolução de alguns impostos acima do crescimento da sua base macroeconómica”.

Numa análise mais detalhada a este último aspeto, o CFP foi ver o que pode ajudar a explicar que a receita de IVA cresça mais do que o consumo privado. Olhando para uma série longa da receita de IVA, o CFP indica que está provado que em períodos de expansão e em fases de recessão, os particulares alteram os seus padrões de consumo.

Em que sentido? “Em fases de crescimento os agentes económicos passariam a adquirir uma proporção cada vez maior de bens taxados à taxa normal [de 23%], ao passo que, em momentos de arrefecimento da economia, os consumidores tenderiam a direcionar uma maior fatia do seu rendimento para a aquisição de bens essenciais, sujeitos a uma taxa reduzida [6%]”, explica a instituição, lembrando que esta conclusão resulta de estudos já feitos antes.

Mas, no momento atual, podem existir outros fatores que ajudam a potenciar aqueles, em que um deles resulta de uma medida de política fiscal adotada em 2012 pelo então ministro das Finanças, Vítor Gaspar. “A alteração das tabelas de IVA ocorrida em 2012, que reduziu o número de bens abrangidos pela taxa intermédia, bem como o aumento do peso da atividade turística na economia, poderão ter elevado o consumo de bens sobre os quais se aplica a taxa normal de IVA, fazendo com que mudanças dos padrões de consumo ao longo do ciclo económico sejam atualmente mais pronunciadas”, admite o CFP. Estas novas conclusões representam um risco para a gestão orçamental, avisa a instituição.

Centeno brilha na UE, mas consolidação abrandou em 2018

O relatório do CFP concluiu ainda que apesar de Portugal estar a cumprir a maior parte das regras europeias para as contas públicas — com exceção da regra do crescimento da despesa pública primária expurgada de medidas temporárias —, a conjuntura económica, os juros e as surpresas na receita estão a explicar os avanços em indicadores como o défice nominal, o défice estrutural e o défice quando descontadas apenas as medidas one-offs.

Este resultado, apesar de continuar a apontar para uma melhoria dos indicadores estruturais, sugere que o progresso de consolidação orçamental tenha desacelerado em 2018.

Conselho das Finanças Públicas

Esta análise leva o CFP a concluir que há um “abrandamento do processo de consolidação orçamental”. “A variação do saldo primário estrutural (saldo estrutural excluindo a despesa com juros) conjuntamente com a variação do hiato do produto [que mede a diferença entre o produto potencial e o efetivo] permitem aferir a natureza restritiva ou expansionista da política orçamental discricionária. Em 2018, a variação positiva do saldo primário estrutural (0,2 p.p. do PIB) realizada no contexto de melhoria da conjuntura económica (variação positiva do hiato do produto em 0,4 p.p. do PIB potencial) foi inferior em mais de metade à estimada para 2017 (0,5 p.p. do PIB)”, detalha o CFP. “Este resultado, apesar de continuar a apontar para uma melhoria dos indicadores estruturais, sugere que o progresso de consolidação orçamental tenha desacelerado em 2018”.

O relatório contém ainda informação mais detalhada sobre as cativações feitas no ano passado. O ministro das Finanças fechou o Orçamento do Estado de 2018 com cativações efetivas no valor de 486 milhões de euros, o que compara com uma previsão inicial de poupança com cativações de 590 milhões de euros.

“Em termos absolutos, os cativos finais em 2018 ficaram ligeiramente abaixo da média de 523 milhões de euros registada nos anos de 2014, 2015 e 2017 e bastante abaixo dos 1.005 milhões de euros registados em 2016”, diz o CFP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tabelas de IVA de Gaspar ajudam a explicar surpresa nas receitas de Centeno, diz Conselho das Finanças Públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião