Com a casa arrumada, Carris aumenta lucros em 75%

Receitas cresceram 15% e gastos apenas 11% apesar da entrada de 209 novos efetivos. Tiago Farias, presidente, destaca reforço dos capitais próprios: "Estamos a fazer um caminho de sustentabilidade".

A Carris lucrou 8,66 milhões de euros em 2018, valor que representa uma subida de 74% nos resultados líquidos face ao obtido pela transportadora lisboeta no ano anterior. Com mais receitas, mais efetivos e já com o serviço público devidamente contratualizado, o ano passado foi de consolidação da sustentabilidade operacional e financeira da companhia, conforme sintetizou Tiago Farias, presidente da Carris, em conversa com o ECO sobre os resultados de 2018.

“Estamos a fazer um caminho de sustentabilidade e a melhorar regularmente os resultados transitados e a reforçar os capitais próprios, algo que é saudável para a empresa”, apontou o responsável. O ano passado foi marcante para a empresa e por várias razões, explicou. “Foi a primeira vez que fomos empresa municipal num ano completo e o primeiro ano em que o contrato de concessão esteve em vigor, já que recebeu o visto do Tribunal de Contas em outubro. Foi o ano em que tivemos todos os instrumentos já devidamente arrumados“, explicou.

De acordo com o relatório e contas de 2018 da empresa, já aprovado em assembleia-geral, a Carris registou um aumento de 3% no total de passageiros transportados, que atingiram os 125,6 milhões, e um crescimento de 15% nos rendimentos operacionais, que totalizaram 116,5 milhões de euros. Também o EBITDA da empresa evoluiu favoravelmente de 2017 para 2018, passando de 8,7 milhões para 13 milhões de euros.

Para o aumento dos rendimentos, destaca-se o contributo da subida de 2,9% nas receitas tarifárias conseguidas pela transportadora rodoviária municipal, mas também o impacto da contratualização do serviço público: as compensações pelo cumprimento destas obrigações em 2017 ascenderam a 9,5 milhões, dos quais 4,7 milhões de euros fruto da prática de tarifários bonificados, refletidos nas contas de 2018.

“As receitas são compostas em perto de 100 milhões pela venda de títulos, uma segunda fatia são ganhos complementares, como a venda de produtos ou ganhos das participadas, e, agora sim, temos um instrumento que passou a estar em pleno e que totalizou quinze milhões em 2018”, diz. Tiago Farias fala das comparticipações recebidas do Estado, pelo esforço com os passes 4_18 e sub23, e da aplicação do contrato de concessão.

Quando o município passa a ser o acionista, traz uma visão completamente diferente daquilo que pretende da empresa, em termos estratégicos, de dimensão, de tecnologias ou serviço ao cliente

Tiago Farias, presidente da Carris

Para o turnaround por que a Carris atravessa, foi fulcral a assunção da dívida da empresa pelo Estado, o que permitiu libertar a transportadora de custos financeiros que estrangulavam não apenas financeiramente, mas também em termos de reestruturação, renovação e reforço da oferta. “Os números operacionais já eram interessantes e a prova disso é que mesmo sem apoios em 2017 tivemos um ano de resultado positivo”, apontou Tiago Farias ao ECO. Mas sem se libertar da dívida, a empresa não conseguiria apresentar-se hoje como uma operadora sustentável e com um forte plano de investimento em curso, explicou. Plano que inclui também um intenso reforço do quadro de pessoal da empresa.

Mais 10% de trabalhadores num só ano

“Entre 2010 e 2016, a Carris viveu um período em que quase só se desinvestiu, com uma redução de 25% da oferta e uma redução muito forte na dimensão em termos de recursos humanos, perdendo cerca de 600 colaboradores. Era um caminho insustentável, diria, naquilo que é a oferta de transportes para região metropolitana de Lisboa“, reflete o presidente da Carris. Mas com a passagem da empresa para a esfera municipal, tudo mudou.

“Quando o município passa a ser o acionista, traz uma visão completamente diferente daquilo que pretende da empresa, em termos estratégicos, de dimensão, de tecnologias ou serviço ao cliente”, acrescenta. E é esta visão que está agora a ser executada: “Em 2017 apresentámos o plano de atividade, a visão estratégica, o que queremos crescer, quantos veículos precisamos… e em 2018 foi quando se começou tudo a concretizar: deu-se início a uma renovação muito forte da frota, lançámos concursos e fechámos contratos para a compra de mais de 200 autocarros que já começaram a chegar”.

Os planos para a melhoria e alargamento da rede, além do forte investimento em novos veículos, estão igualmente a alimentar uma vaga de contratações por parte da transportadora lisboeta. “O ano de 2018 foi também um exercício de consolidação do recrutamento. As contratações na Carris são complexas, falamos de ocupações exigentes, física e psicologicamente, com stress associado, e que exigem operar veículos entre 18 ou 24 metros”, apontou Tiago Farias.

Em 2018, a Carris contratou 268 trabalhadores, número que, conjugado com as saídas verificadas ao longo do ano, representou um crescimento líquido de 209 efetivos num só ano, para 2.321, mais 9,9% que no final de 2017. “As contratações têm como objetivo inverter de vez a tendência de redução no total de quilómetros/passageiros e tivemos um ano em que claramente se cresceu no total de quilómetros oferecidos, como no total de passageiros transportados”, enalteceu o presidente da empresa. A oferta da Carris medida em veículos/quilómetros cresceu 4,7% em 2018.

O crescimento ao nível do pessoal coincidiu igualmente com uma segunda fase da reposição de rendimentos decorrentes das progressões nas carreiras, resultando num aumento total de 13% do investimento da companhia com o pessoal, tendo aplicado 60,3 milhões de euros na rubrica “gastos com pessoal”, contra os 53,4 milhões de 2017.

No total, a despesa da transportadora subiu 9,8% no exercício passado, totalizando 109 milhões. Para a subida também contribuíram os gastos com fornecimentos e serviços externos (FSE), já que o aumento da oferta acarretou um aumento da despesa com manutenção ou combustíveis, por exemplo. “Aumentámos em 5% os quilómetros percorridos, logo os FSE cresceram também. Houve um crescimento acentuado ao nível dos recursos humanos, essencialmente porque contratámos mais pessoas e implementámos em pleno as progressões e reconversões na empresa e isso tem sempre reflexos. Era algo que estava congelado e que descongelámos”, explicou Tiago Farias sobre a evolução da despesa.

Em relação às perspetivas para 2019, Tiago Farias preferiu não avançar com grandes projeções na conversa com o ECO. O corrente exercício não só é o ano em que o plano de investimentos em curso da Carris atinge um pico, como é um ano que fica marcado pela entrada em vigor dos novos planos tarifários, pelo que é difícil de antever todos os impactos, ainda que sejam de tendência positiva. “É um ano extremamente atípico, pela positiva. Mas não é tão fácil de prever ou de comparar com anos homólogos”, concluiu.

Comentários ({{ total }})

Com a casa arrumada, Carris aumenta lucros em 75%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião