Maior acionista dos CTT critica Francisco Lacerda

  • ECO
  • 1 Junho 2019

Ao Expresso, Manuel Champalimaud diz que perdeu a confiança em Francisco Lacerda pela forma como reagiu às acusações à empresa, e explica que já havia descontentamento entre os acionistas.

O maior acionista dos CTT, Manuel Champalimaud, diz em entrevista ao semanário Expresso (acesso condicionado) que o seu apoio à liderança de Francisco Lacerda ficou comprometida pela escolha do presidente dos CTT de não defender a empresa de forma mais determinada quando os responsáveis foram acusados no Parlamento de saquear a empresa. Manuel Champalimaud diz ainda que o Estado é bem-vindo no capital dos CTT.

Os CTT têm estado no centro do debate político, devido à redução da presença ao longo do território nacional e à queda nos resultados da empresa. Muito se tem dito no Parlamento, pelos partidos mais à esquerda, sobre a necessidade de o Estado vir a retomar o controlo da empresa.

A empresa tem estado nas notícias também pela saída do seu presidente, Francisco Lacerda, antes do final do seu mandato. Francisco Lacerda disse que, no seu entendimento, não deveria ser o próprio a renegociar o contrato de concessão com o Estado que o próximo presidente teria de gerir.

Nesta entrevista ao semanário Expresso, Manuel Champalimaud, o maior acionista dos CTT, explicou que já havia “descontentamento” relativamente aos resultados da empresa entre uma “base importante de acionistas” e que estes pediam uma intervenção mais agressiva.

Mas o momento chave terá sido quando o Bloco de Esquerda acusou Francisco Lacerda e Manuel Champalimaud de estarem a saquear os CTT. Manuel Champalimaud entendeu que era necessária uma resposta agressiva “firme e pública”, mas Francisco Lacerda recusou e disse que uma reação dessas só iria inflamar mais a situação.

“Francisco Lacerda disse-me que a sua visão era não pôr mais achas na fogueira. Com acusações tão graves não nos defendermos não me deixava satisfeito. Nesse momento a minha perseverança em manter o apoio a Francisco Lacerda ficou comprometida. Pouco tempo depois houve a assembleia-geral e não votei favoravelmente o voto de confiança à gestão. Nem eu nem vários acionistas. Isso criou uma pressão que o levou a tirar as conclusões disso”, disse em entrevista ao Expresso.

Sobre a renegociação do serviço postal universal, Manuel Champalimaud diz que “se o Estado quiser entrar no capital dos CTT, por mim é bem-vindo”, admitindo que seria uma forma de acabar com a “agitação” e “desconforto social”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior acionista dos CTT critica Francisco Lacerda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião