Maioria das empresas do norte vai recrutar em 2019

  • Ricardo Vieira
  • 3 Junho 2019

Trabalhadores da região assumem querer mudar de emprego este ano, estando o salário e o ambiente de trabalho entre os fatores mais valorizados.

79% das empresas do Porto, Braga, Viana e Aveiro pretendem recrutar mais colaboradores em 2019. Tecnologias da Informação, comerciais e engenheiros são os perfis mais procurados, segundo uma pesquisa da Hays, elaborada com o apoio da Invest Porto.

No relatório “Talent in the North”, que analisa as tendências do mercado laboral na macrorregião Porto/Norte, vem fundamentar a ideia de que não há empregos para a vida toda, isso porque, 70% dos inquiridos assumem querer mudar de emprego ainda este ano, 28% dos quais está já em processo de recrutamento. Valorizam, acima de tudo, o pacote salarial, um bom ambiente de trabalho, um plano de carreira e a cultura da empresa.

A maioria desses trabalhadores consideram a possibilidade de mudar de emprego, mantendo-se no mesmo distrito. E quanto a sair da região norte, preferem fazê-lo para outro país (36%) do que trabalhar noutra região portuguesa.

Entre os recrutadores, o que de melhor têm para oferecer é bom ambiente de trabalho (62%) e segurança financeira (59%), seguidos de reputação no mercado (48%), o tamanho da empresa (42%), cultura empresarial (37%) e qualidade dos projetos (34%). O salário e benefícios só aparecem mais no fundo da lista, para 27% e 21% das empresas, respetivamente.

O estudo, que se focou também na realidade dos Centros de Serviços Partilhados, percebeu que os profissionais que trabalham nesses centros estão mais satisfeitos em quase todos os indicadores quando comparados com outros trabalhadores da região, especialmente, quando se fala de benefícios, cultura da empresa, comunicação interna e formação. É na localização dos escritórios e na situação contratual que estes profissionais estão menos satisfeitos. São também dos que mais recusam ofertas de emprego com base na oferta salarial, condições contratuais e oportunidades de progressão. No entanto, face à possibilidade de mudar de emprego, não é uma contraproposta por parte do empregador atual que os faz mudar de ideias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria das empresas do norte vai recrutar em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião