“Escolhe-te a ti mesmo”, de James Altucher

Sempre que se fala de 2008 fala-se no ano da crise. Mas para James Altucher, famoso empresário e gestor de fundos especulativos, 2002 não foi melhor.

James Altucher já perdeu muito dinheiro, empregos, amigos e até família. E é hoje um homem bem-sucedido. A solução? Escolher-se a si próprio. É através deste livro que ficamos a saber a sua história e várias dicas de como transformar-se “numa máquina de ideias”, aprender a “resolver problemas” e a “ganhar dinheiro”.

Sempre que se fala de 2008 fala-se no ano da crise. Mas para James Altucher, famoso empresário e gestor de fundos especulativos, 2002 não foi melhor. Depois de uma série de más escolhas pessoais, foi nesse ano que deu por si cheio de dívidas, sem dinheiro, sem emprego e sem amigos. A vida de excessos que levava fê-lo cair em desgraça e entrar numa espiral descendente. “Ou teria um ataque cardíaco ou simplesmente cometeria suicídio”, desabafa o autor no seu mais recente livro, onde dá conta da sua experiência e de como superou a sua queda.

Em Escolhe-te a Ti Mesmo, o autor propõe o antídoto óbvio, mas muitas vezes esquecido, contra o falhanço sucessivo: a solução é seguirmos o (e confiarmos no) nosso instinto, sem segundas ou terceiras opiniões.

“O mundo está a mudar. (…) Já não nos vêm contratar ou investir na nossa empresa de forma vitalícia. Ninguém nos vem buscar. Cabe a nós tomarmos a decisão mais importante da nossa vida. Por isso digo: escolhe-te a ti mesmo”, pode ler-se.

É já bastante tarde que o primeiro de livro de Altucher chega a Portugal, depois de ter sido lançado em 2013. À Pessoas, António Pacheco, fundador e editor da Self, explica que sempre teve vontade de editar este livro, mas o atraso deveu-se à dificuldade em chegar à editora original. “Só depois de conseguir um contacto mais próximo é que conseguimos trazê-lo para cá. O livro já era conhecido, sobretudo entre os empreendedores”, conta. Ainda assim, é um livro popular e que consegue chegar a toda a gente. “Não é só a quem tem uma empresa, quem tem uma carreira vai identificar-se”.

Sobre o feedback dos leitores, admite que ainda é cedo para dizer, mas os comentários iniciais foram positivos. “Quando o lançámos [em fevereiro de 2019] muita gente disse ‘finalmente!’. O que mostra que o livro só peca por chegar tarde, o que foi uma falha”, diz o editor. No futuro, espera vir a editar mais livros do “guru número um” do podcasting, que é cada vez mais conhecido por cá.

Autopreserverança e superação: o caminho para o sucesso

Este discurso de libertação e de autoemancipação pode não ser novo, e corre o risco de, por vezes, cair facilmente em clichés de autoajuda convencionais, mas pela sua própria história Altucher dá ao leitor a sensação de que, mesmo quando tudo está perdido, nem tudo está perdido.

Com uma escrita fácil e desapegada, o leitor pode esperar o retrato cru das várias disfuncionalidades da vida em pleno século XXI e de como, afinal, pode haver esperança e encontrar-se sucesso onde menos se espera e mais se falha. É na capacidade de resiliência e de reinvenção que está a chave, relembra o escritor, para o sucesso e, sobretudo, o bem-estar.

Menos é mais, e o falso sonho americano

Altucher também desmistifica o chamado “sonho americano”. Afinal, quem nunca quis ter a casa de sonho com a vedação branca, o carro de sonho e uma televisão grande para encher a sala? A nossa constante sede material e a ideia de que nunca temos o suficiente pode tornar-se numa via rápida para a depressão. É por isso que James Altucher, depois de vender a grande maioria dos seus pertences, ficou com apenas 15 coisas: o suficiente para caber apenas numa mochila. Numa entrevista ao The New York Times em 2016, o autor chegou a confessar que o seu minimalismo é simplesmente a prática do que aconselha nos seus livros. Depois de ter atingido o fundo, conseguiu reerguer-se como uma “fénix”. A sua ambição? É “não ter ambição nenhuma”. Uma lição de vida para ler e reter.

Sobre o autor:

Considerado pela Forbes em 2016 o “homem mais interessante do mundo”, James Altucher é um escritor, empresário de sucesso, mestre de xadrez e investidor. Com 20 livros publicados, já fundou mais de 20 empresas, vendeu algumas delas com grande êxito. Administrou fundos de capital de risco, hedge funds, angel funds e é hoje membro do conselho administrativo de muitas empresas. Já escreveu para vários jornais e publicações como o The Wall Street Journal, o Financial Times, a CNBC, a Forbes e a Business Week. O seu blogue, criado em 2010 e no qual narra a história de como conseguiu passar de falido a rico, já atraiu milhões de leitores e serviu de inspiração para uma banda desenhada. Altucher também tem um famoso podcast: o “The James Altucher Show”, que conta com mais de 30 milhões de downloads.

Editora: Vida Self

Páginas: 224

Outras sugestões na cabeceira

O Valor de Tudo – Fazer e tirar na economia global, de Mariana Mazzucato

Mariana Mazzucato, professora do University College, em Londres, é a vencedora do Leontief Prize for Advancing the Frontiers of Economic Thought 2018. Em “O Valor de Tudo”, a autora explora o conceito de valor e volta a trazê-lo ao debate económico.

Muito ligada à promoção da inovação e a políticas públicas, tenta responder neste livro às perguntas: Quem são de facto os criadores de riqueza no mundo? E como é definido o valor do que fazem?

Conta-me Estórias – Storytelling na Gestão de Pessoas, de José Bancaleiro e Pedro Ramos

Esta é um livro que reúne estórias dos vários sucessos e insucessos de gestores de recursos humanos e de como as pessoas são um elemento fulcral para o desenvolvimento das empresas – ao nível individual e organizacional.
José Bancaleiro é managing partner da Stanton Chase Portugal, foi diretor de RH na Tabaqueira, Electroliber, Smithkline Beecham Farmacêutica (GSK), Altitude Software, Essilor, OPCA e Banco Finantia. Pedro Ramos é diretor de RH do Grupo TAP Air Portugal, e já passou por grandes empresas como a Groundforce Portugal, Carris, Grupo ETE e o Grupo GECI Internacional.

Capitalismo Sem Capital, de Stian Westlake e Jonathan Haskel

Abordando as potencialidades da economia intangível, esta obra pretende focar-se no crescente investimento de bens imateriais e tecnológicos, como pesquisa e desenvolvimento, software, bases de dados, criação artística, design, gestão de marca ou processos de negociação. Como se gerem estas ferramentas? O que esperar no futuro? São algumas das questões que os autores exploram num livro que foi considerado um dos Wise Words Books of the Year pelo The Economist.

Jonathan Haskel é professor de economia na Imperial College Business School, em Londres, onde dirige o departamento de doutoramentos. Stian Westlake é conselheiro do ministro da Ciência, Inovação e Educação Superior do Reino Unido.

Comentários ({{ total }})

“Escolhe-te a ti mesmo”, de James Altucher

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião