PCP quer travar concentração na AT de informação sobre as empresas

O PCP apresentou, esta quinta-feira, uma proposta de aditamento à COFMA que prevê a eliminação da norma que faz depender a IES da submissão do SAF-T da contabilidade à AT.

Os comunistas querem travar a submissão obrigatória do ficheiro SAF-T (PT) da contabilidade à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), tendo apresentado, esta quinta-feira, à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA) propostas de aditamento ao diploma que altera os diversos códigos fiscais que eliminam essa exigência, apurou o ECO. Este grupo parlamentar diz estar contra tal concentração da informação económica, financeira e social das empresas nas mãos do Fisco.

Em outubro do ano passado, o Executivo de António Costa publicou em Diário da República um decreto-lei que prevê a entrega ao Fisco das bases de dados da contabilidade de todos os sujeitos passivos que preencham o anexo A e I através do ficheiro SAF-T de modo a simplificar o preenchimento da Informação Empresarial Simplificada (IES). Ou seja, sem a submissão desse ficheiro deixa de ser possível cumprir a obrigação declarativa da IES e, no caso das sociedade comerciais, o depósito de contas.

Na altura, o PCP chegou a apresentar um pedido de apreciação parlamentar deste diploma, mas o processo acabou por não avançar, já que nessa ocasião a Assembleia da República estava concentrada na discussão do Orçamento do Estado para 2019. “No ficheiro SAF-T, para além de questões de natureza de registo contabilístico, estão aqui registadas todas as relações bancárias, comerciais, sociais e económicas do sujeito passivo com contabilidade organizada até ao mais ínfimo detalhe“, sublinhou, na altura, a bancada de Jerónimo de Sousa, referindo que “muita deste informação” cai sobre a “égide do sigilo profissional, bancário e comercial”, tendo, portanto, uma “natureza privilegiada”.

Ao ECO, o deputado Duarte Alves explicou ainda que o problema está na concentração da informação económica, financeira e social nas mãos da AT, o que pode pôr em causa “direitos fundamentais” dessas empresas e cidadãos. “A questão que se impõe é a de saber para que precisa a AT de toda esta informação”, reforçava o PCP, no tal pedido de apreciação, recordando que o SAF-T da contabilidade é atualmente entregue ao Fisco apenas no âmbito de auditorias.

“Com o acesso prévio da AT, todos os sujeitos passivos, quer sobre eles recaiam ou não indícios ou suspeitas de comportamentos irregulares, passam a ser inspecionados de forma preventiva e sem verem garantidos os seus direitos”, frisava ainda o PCP.

Por isso, o PCP aproveitou a discussão da proposta de lei 180/XIII que altera os diversos códigos fiscais para tentar novamente acabar com essa submissão obrigatória. Nas propostas de aditamento a que o ECO teve acesso, os comunistas eliminam a dependência da IES da entrega do SAF-T da contabilidade, passando a ler-se: “O cumprimento das obrigações legais referidas no nº1 e na alínea a) do nº 2 [do artigo 2º do Decreto-Lei n.º 8/2007] é definido por portaria dos membros do Governo responsáveis pela área das Finanças e pelas áreas da Justiça e da Economia, sem estar dependente da submissão prévia do ficheiro normalizado de auditoria tributária, designado de SAF-T (PT), relativo à contabilidade, à AT”.

Tal proposta fica em linha com aquilo que tem sido defendido pelos contabilistas e pela Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), que tem considerado “ilógica e gravemente atentatória das regras básicas sobre proteção de dados pessoais” a entrega deste ficheiro.

Também a Associação Nacional de Contabilistas (ANACO) tem promovido reuniões com os diversos grupos parlamentares para travar essa concentração de informação na AT e lançou uma petição que reuniu mais de 11 mil assinaturas pela eliminação desse requisito, que já está no Parlamento. Os contabilistas consideram que esta medida é sinónimo de “confiscar” as bases de dados da contabilidade das empresas e cria uma espécie de “big brother para toda a sociedade portuguesa”.

A propósito, o ECO questionou os grupos parlamentares sobre a sua disposição para “tratar” desta questão no âmbito desta proposta de lei 180/XIII, tendo o PSD e o PS remetido para um momento posterior esta discussão. “Sem prejuízo de em momento posterior podermos chegar a conclusão diferente, não temos neste momento o entendimento de que haja necessidade de alterações ao regime legal, podendo as questões colocadas ser solucionadas na implementação operacional da medida”, reforçou o deputado Fernando Rocha Andrade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP quer travar concentração na AT de informação sobre as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião